Migrantes em São Paulo

Quando vim da minha terra,
não vim, perdi-me no espaço,
na ilusão de ter saído.
Ai de mim, nunca saí.

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987)

É possível encontrar em São Paulo cada pedacinho do Brasil com seus sotaques e culinárias dos mais variados. Afinal, o Estado de São Paulo se transformou num dos mais importantes pólos de atração de fluxos migratórios.

aniversario-de-sao-paulo

Em 25.1.2016, São Paulo comemora 462 anos de sua fundação!

 

Para entender melhor os contrastes e o emaranhado de culturas que povoam o Estado de São Paulo não dá para deixar de falar da migração. Aqui o turista mais desavisado se surpreende com a estranha união do feijão-de-corda com o pão-de-queijo que, por sua vez, convivem em total harmonia com o forró e a música sertaneja. Tudo isso regado a um bom churrasco com chimarrão. É possível encontrar em São Paulo cada pedacinho do Brasil com seus sotaques e culinárias dos mais variados. Afinal, o Estado de São Paulo se transformou num dos mais importantes pólos de atração de fluxos migratórios. O rápido desenvolvimento da região, a oportunidade de emprego e o sonho de uma vida melhor fizeram dessa terra o que é hoje: uma Torre de Babel. Em estatística feita em 1959 constatou-se que o processo migratório para São Paulo começou em 1901. Naquele primeiro ano, o registro de entrada de nacionais no Estado de São Paulo apontou 1.434 pessoas. No mesmo período, o número de estrangeiros aportados em São Paulo foi de 70.348 pessoas. Foi em 1923 que teve início a intensificação do fluxo de nordestinos, mineiros e fluminenses para São Paulo.

Em 1935, o governo de Armando Salles de Oliveira decidiu estimular a migração para São Paulo, com o objetivo de suprir a lavoura de mão-de-obra. Por iniciativa daquele governo foi estipulada, pelo sistema de contratos com companhias particulares, a introdução de trabalhadores mediante a seguinte subvenção: pagamento de passagem, bagagem e um pequeno salário para a família. As firmas contratadas pelo governo para trazer trabalhadores de outros Estados passaram a operar com afinco no Nordeste do país e no Norte do Estado de Minas Gerais. Em 1939 o Departamento de Imigração e Colonização foi reorganizado e criou-se a Inspetoria de Trabalhadores Migrantes com a finalidade de substituir as firmas particulares no serviço de migração subsidiada. Quando as famílias chegavam a São Paulo eram recebidas na Hospedaria do Imigrante e daí distribuídas pelo Estado. Com o estímulo dado pelo governo, as entradas passaram a ser maciças, atingindo em 1939 a casa dos 100 mil.

Durante o período de 1941 a 1949 só o Departamento de Imigração e Colonização de São Paulo encaminhou à lavoura do Estado 399.937 trabalhadores procedentes de outros Estados do Brasil. Nesta época, na Europa acontecia a II Guerra Mundial e a imigração de europeus reduziu drasticamente. Os 12 municípios que maior número de migrantes receberam (399.927) foram Presidente Prudente, Rancharia, Marília, Martinópolis, Andradina, Presidente Venceslau, Santo Anastácio, Pompéia, Valparaiso, Araçatuba e Presidente Bernardes. Mas foi nas décadas de 1950 e 1960 que se verifica a efetiva industrialização do Estado e a conseqüente abertura de um mercado de trabalho de dimensões amplas, uma vez que o processo de crescimento industrial, por seus efeitos multiplicadores levou também a uma substancial ampliação do setor terciário. A migração em 1950 apresentava o seguinte quadro: Minas Gerais contribuiu com quase 50% do fluxo. A Bahia é o Estado que mais contribuiu depois de Minas Gerais, com 17,56% do fluxo. Somente estes dois Estados representavam 65,04% do fluxo. Migrantes de Pernambuco, Alagoas, Ceará, Sergipe, Paraíba, Rio Grande do Norte e Piauí representavam menos de 15%.

O fato de Minas Gerais ser um Estado vizinho de São Paulo, é um motivo a mais a determinar o grande fluxo migratório. O aumento do peso da migração vinda do Nordeste é em grande parte devido às secas que atingiram a região na década de 1950. Outro fator determinante foi a conclusão da Estrada Rio-Bahia em 1949, o que veio facilitar bastante essa migração. Foi por esta rodovia que surgiu o “pau-de-arara”, transporte de migrantes feito por caminhões de carga, precariamente adaptados para o transporte de seres humanos. Os migrantes se espalharam por todo o Estado, mas a Região Metropolitana de São Paulo apresentou-se como a mais importante área de atração populacional do Estado, tendo as migrações contribuído com 56,6% do crescimento da população da região no período 1960-1970.

O aparecimento do complexo industrial da Região da Grande São Paulo deu-se sobretudo a partir da Segunda-Guerra Mundial, e de forma mais acentuada durante e após a década de 1950, quando o processo de substituição de importações surgiu como um dos fatores principais do desenvolvimento industrial da região.

Com o passar dos anos, a migração foi diminuindo. Nos anos 60, chegavam à cidade 128 mil migrantes por ano, a partir de 1980 a média anual caiu para 68 mil, segundo dados do Seade.

Por causa dessa miscigenação, hoje, passear por São Paulo é conhecer todas as tradições. O bairro do Brás, por exemplo, antigo reduto de italianos, é ocupado hoje em sua maioria por migrantes nordestinos. Já a cidade de Carapicuíba registra 70% de migrantes entre nortistas e nordestinos. No município de Embu, os gaúchos realizam festas com acordeão e rabeca e, claro, churrasco. Sem falar de toda a tradição do mobiliário rústico e artesanal.

A parte gastronômica é outro capítulo. Por causa da migração, é possível comer em São Paulo qualquer doce feito com a fruta mais exótica da Amazônia, um bom acarajé preparado por uma baiana autêntica, aquele doce de leite com queijo mineiro ou mesmo encontrar uma boa erva-mate para o preparo do chimarrão. Ou ainda comer leitão à pururuca, vaca atolada, galinha ao molho pardo, moquecas com jeitão capixaba, buchada de carneiro, costelinha de porco com canjiquinha e angu, arroz de cuxá do Maranhão, sopa de goma de mandioca com camarão seco do Belém do Pará ou ainda a combinação de tucupi e jambu. O difícil é enumerar todas as opções.

Seja fugindo da seca ou em busca do sonho de uma vida melhor e do melhor centro educacional do País, enfim, cada um que chegou em São Paulo tinha um motivo. Porém, todos adotaram essa terra como seu lar e essa terra, em contrapartida, recebeu não só complexos problemas urbanos mas, principalmente, ganhou a força do trabalho de uma gente com muita determinação e, acima de tudo, com a infinita riqueza de várias culturas.

Fonte:  sitio “Portal do Governo do Estado de São Paulo” – http://www.saopaulo.sp.gov.br/conhecasp/gente-paulista_migrantes  –  acessado em 25.1.2016

Mais informações, visite:

Memorial do Imigrante
Rua Visconde de Parnaíba, 1.316 – Moóca
CEP 03164-300São Paulo – SP
Fone: (11) 6693-0917

acesse o sitio, clicando aqui: Memorial do Imigrante

 


 

 

Baianos compõem maior parcela de migrantes em São Paulo
Estudo do IPEA mostrou que número de baianos é superior à soma de migrantes do Norte e mais seis estados

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

A maior parte dos migrantes que vivem na região metropolitana de São Paulo é composta de baianos. É o que indica o Comunicado nº 115, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado esta semana. O estudo mostra que 11% dos migrantes desta região vieram da Bahia, índice maior que a soma dos migrantes da região Norte e dos estados do Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas e Sergipe (9%).

RTEmagicC_grafico.jpg
Distribuição percentual da população de 30 a 60 anos de idade, residente na Região Metropolitana de São Paulo,
por naturalidade – Fonte: PNAD 2009/IBGE (Elaboração Ipea)

No quesito escolaridade, a pesquisa registrou que 59% dos baianos residentes em São Paulo não concluíram o ensino fundamental, outros 16,1% tem ensino médio incompleto, 21,6% não terminaram o ensino superior e apenas 3,1% conseguiram um diploma universitário.

Apesar da redução do número de trabalhadores em serviços domésticos na região metropolitana de Salvador, os migrantes baianos residentes na capital paulista e região metropolitana apresentam a maior proporção de empregados domésticos, com 21,1% trabalhando neste setor.

Os nascidos na Bahia integram junto com os demais nordestinos e nortistas a classe mais baixa, levando em consideração o rendimento mensal médio do trabalho em torno de mil reais, de acordo com estudo. Já em relação a renda domiciliar per capita, os baianos têm a segunda maior parcela que recebe até um salário mínimo (54,3%), atrás dos pernambucanos (57,2%).

O estudo do Ipea utilizou como base a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2009, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O comunicado teve o objetivo de traçar o perfil dos migrantes desta região com idade de 30 a 60, divididos por naturalidade, uma vez que a área apresenta o maior fluxo de migração de pessoas de todo o Brasil, além de estrangeiros.

Fonte:  sitio iBaha.com – http://www.ibahia.com/detalhe/noticia/baianos-compoem-a-maior-parcela-de-migrantes-em-sao-paulo/?cHash=2674f72b60045b58df4cd839b66f21d5  –  acessado em 25.1.2016

 

 

De Trem: Santo Amaro da Purificação/BA à Monte Azul/MG

“A Linha do Trem, um Caminho Esquecido” é um documentário produzido pela TVE-BA em 2001, com direção, roteiro e edição do repórter Robson do Val, que conta um pouco da história da ferrovia RFFSA (SR-7) – atual FCA –  a bordo de um trem cargueiro, partindo de Santo Amaro da Purificação/BA à Monte Azul/MG.
História e a beleza das ferrovias baianas neste pioneiro documentário dirigido pelo jornalista Robson do Val.

Em uma viagem de 40 horas, Robson do Val acompanha, dia e noite, da cabine de uma locomotiva U-20 da FCA – Ferrovia Centro Atlântica.

Esse é o trem de cargas que trafega diariamente,  passando por cidades como Brumado, Rio do Antonio, Caculé, Licínio de Almeida, Urandi, Espinosa e Monte Azul; seguindo para Montes Claros.

Participação do Caculeense: Antonio Coutinho !

Fonte: Video publicado na página “Verde Trem” no Youtube – https://youtu.be/5B213nnhneg – acessado em 22.1.2016

 

 

 

Caatinga (PELD, UFPE)

A Caatinga é o único Bioma exclusivamente brasileiro e certamente é um dos mais alterados pelas atividades humanas nos últimos séculos, (Almeida et al., 2009). Segundo o Ministério do Meio Ambiente-MMA (2003) é um ecossistema extremamente heterogêneo e inclui pelo menos uma centena de diferentes tipos de paisagens únicas.

Este bioma é típico do semiárido, resistente a secas e rico em recursos naturais. Localiza-se em uma das mais populosas regiões semiáridas do mundo e encontra-se em uma das áreas mais pobre do país, possuindo em seu entorno aproximadamente 28 milhões de habitantes. Diante da situação de pobreza e falta de acesso a políticas sociais adequadas a população pobre acaba exploração esse recurso natural de forma desordenada e insustentável. Assim, o bioma é explorado irracionalmente e essas explorações têm causado grandes impactos ambientais, sociais e econômicos transformando a população cada vez mais pobre e necessitada.

A Caatinga é o tipo de vegetação que cobre a maior parte da área com clima semiárido da região Nordeste do Brasil. Naturalmente, as plantas não têm características uniformes e os fatores ambientais são determinantes para definir essas características, e dentre esses fatores, o clima é considerado preponderante. Historicamente a região Nordeste sempre foi afetada por grandes secas ou grandes cheias. No semiárido nordestino, essa variabilidade climática, em particular as situações de seca, representa dificuldades para populações rurais do interior da região. Acredita-se que a vegetação nativa obedeça a uma dinâmica de expansão e retração, apresentando períodos de “exuberância” nas chuvas e de “dormência“ nas secas. Entretanto, pouco se conhece sobre essa dinâmica. (MMA, 2003).

A Caatinga, que possui uma fauna e flora com grande diversidade de espécies, há séculos tem sido submetida a um intenso processo de ocupação, na maioria das vezes promovida de modo a gerar grandes impactos ambientais.

Em meados da década de 80 havia mais de 4.500.000 ha com plantas de algodão, 80% dos quais concentrados no Semiárido brasileiro. Em virtude de questões econômicas, a ocorrência da praga do bicudo e políticas de governo ineficazes, o cultivo dessa cultura foi praticamente dizimado. As consequências sociais desse processo ainda hoje são sentidos, e uma grande pressão pelo uso da madeira existente na Caatinga tem provocado grandes modificações na cobertura vegetal, com impactos intensos no clima local.

Estudos mais recentes destacam que o Semiárido brasileiro será a região do País mais afetada pelas mudanças climáticas, com possibilidade de aumento na temperatura do ar de 2 a 4°C até o final deste século, e substanciais reduções na precipitação pluviométrica (Marengo et al., 2010). Embora as incertezas dos modelos climáticos empregados na previsão de tais cenários não sejam ainda bem conhecidas, muitos cientistas acreditam que as intervenções na busca de redução das emissões de gases do efeito estufa, e muitas outras medidas mitigadoras, devem ser imediatamente postas em prática. Nesse sentido, a resiliência desse importante bioma às oscilações climáticas atuais ainda não foi devidamente investigada e diferenciações marcantes entre áreas de Caatinga antropizada e preservada devem ser apoiadas com urgência.

Muitos estudos têm evidenciado que a matéria seca acumulada em dado bioma pode ser obtido em função da fração da radiação fotossintética absorvida e a radiação solar incidente, acumulados em dado intervalo de tempo. Nesse sentido, alguns estudos têm demonstrado ser possível obter a quantidade de carbono seqüestrado da atmosfera por meio de estimativas da eficiência de uso da luz e componentes da energia, com imagens orbitais (Namayanga, 2002; Bastianssen & Ali, 2003).

Os biomas de regiões semiáridas são dos mais vulneráveis às mudanças climáticas globais associadas aos efeitos de aquecimento global induzido pelo acúmulo de gases de efeito estufa na atmosfera. Em paralelo, o crescimento populacional tem induzido uma expansão das fronteiras agrícolas sobre áreas de biomas nativos.

A variação espacial e temporal das condições da vegetação e da dinâmica dos ecossistemas pode ser monitorada por imagens de sensoriamento remoto, utilizando índice de vegetação espectral, (Perry & Lautenschlager, 1984; Cohen,1991). O índice de vegetação por diferença normalizada além de possibilitar o estudo da dinâmica do ecossistema, também pode ser utilizado nos estudos de mudanças do uso da terra, desertificação e processos de mudanças climáticas em escala regional e global, (Karnieli et al., 1996).

O monitoramento da superfície da terra em longa escala de tempo é necessário para descrever a resposta do ecossistema as variabilidades climáticas e antrópicas. Ecossistemas semiárido e áridos são os únicos ambientes fácies de detecção de mudanças da cobertura da terra devido à variação climática, isso porque à água é um fator limitante desse ecossistema, (Weiss et al., 2004).

O Sensoriamento remoto tem se caracterizado como um instrumento para o planejamento e monitoramento dos recursos naturais. A radiação eletromagnética incidente sobre a vegetação e o solo é parcialmente absorvida e refletida. A parte que é refletida pode ser captada por um espectroradiômetro que caracteriza a resposta espectral da vegetação e do solo.

 


 

O Programa de Pesquisas Ecológicas de Longa Duração (PELD) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cinentífico e Tecnológico (CNPq) tem como missão promover a organização / consolidação do conhecimento existente sobre a composição e funcionamento dos ecossistemas brasileiros, gerando ferramentas e informações para avaliar sua diversidade biológica. É um programa de pesquisa ecológica induzida, cuja execução está centrada numa rede de “sítios selecionados” representativos de vários ecossistemas brasileiros. O PELD está vinculado ao Programa Integrado de Ecologia (PIE) e teve sua aprovação pelo Fórum Nacional de Coordenadores de Cursos de Pós-graduação em ecologia e pelo presidente do CNPq em março de 1996.


 

 

Fonte:  transcrição do site Programa de Pesquisas Ecológicas de Longa Duração (PELD), da Universidade Federal de Pernambuco – link acessado em 2.1.2015:  https://www.ufpe.br/sercaatinga/index.php?option=com_content&view=article&id=300&Itemid=175