Cia ContraCapa e a peça teatral “A Valsa”

Cia ContraCapa e a peça teatral “A Valsa”

A “Cia ContraCapa” foi fundada em meados de julho de 2014, depois de muitas conversas entre a atriz Bruna Carvalho e o Diretor Nando Dias que há anos buscava um casal de atores para montar o espetáculo, “Arlequim e Colombina”, da autora Gabriella Slovick. Logo o ator Guilherme Bipolare e a maquiadora e figurinista local Tally Gaia também uniram-se ao grupo, apaixonados pelo texto.
Ambos os artistas já trabalhavam com teatro na cidade de Caetité e passaram pelo “CURSO DE CAPACITAÇÃO DE AGENTES CULTURAIS NA ÁREA TEATRAL” realizado pela Casa Anísio Teixeira em parceria com a Renova Energia, além de oficinas de iniciação de Clown com João Lima e Diana Ramos, através do projeto SERTÃO PALHAÇO, contemplado pelo edital da SecultBA em 2013.

O objetivo inicial da Cia, era montar espetáculos com os quais pudessem realizar intervenções artísticas em qualquer espaço, chegando ,instalando-se e retirando-se rapidamente, pegando o público totalmente de surpresa. Com o perpassar das apresentações o objetivo mudou, graças a abordagem contida nas entrelinhas do texto: A violência física e psicológica contra a mulher. Aos poucos, o grupo foi buscando estudar a temática e elevar o espetáculo ao formato de bate-papo, uma maneira extraordinária de unir arte e educação.

Em 2016, a Cia ContraCapa dá um grande salto, adentra a REDE DE TEATRO DO VELHO CHICO, após apresentar o espetáculo “Arlequim e Colombina” na II Mostra de Teatro, realizada pela Rede em Bom Jesus da Lapa, fortificando o trabalho do grupo e traçando novas metas, além de começar a fazer parte do “Núcleo de Teatro da Casa Anísio Teixeira” em Caetité-BA e no ano de 2017 inicia a disseminação de oficinas em nome do grupo, do núcleo e da Rede, afinal : “O ESPETÁCULO NÃO PODE PARAR!”.

sinopse do espetáculo ” A Valsa” :

“A Valsa” é uma livre adaptação do único monólogo de Nelson Rodrigues mesclado com trechos de Medéia para compor uma menina-mulher que em sua loucura existencial ,aos 15 anos, permeia realidade e fantasia no tempo e espaço indefinidos.
Em cena, a jovem busca por meio de lapsos de memória juntar seus próprios pedaços, tendo como base os trechos de Medéia que ela ensaia compulsoriamente ao som da Valsa n° 6 de Chopin. Para compor sua história, a personagem remonta fatos,familiares, um médico e antigos amores confusos. Aos poucos esses fatos vão revelando traumas da “podridão familiar” herança da sociedade patriarcal ,que mesmo escrita na antiguidade clássica ou em meados da década de 50, fazem-se presentes no século XXI aprisionando e matando muitas mulheres. Esse é um instigante convite para se descobrir em cena pois “A Valsa” da Cia Contracapa, vem mostrar ao público que todo mundo tem um pouco de Sônia.

Fotos:
Cláudio Antônio Barbosa
Jackson Ministro
Joyce Farias

 

Fotos das apresentações no Cine Teatro Eng Dória, nos dias 20 e 21 de maio de 2017, link da página no Facebook da Cia ContraCapa:
https://www.facebook.com/ciacontracapa/posts/1442920532421046

 


Fonte:
[1] release do Grupo “Cia ContraCapa”, Bruna Carvalho Rocha,  15.5.2017

[2]   foto da página no Facebook da Cia ContraCapa  – https://www.facebook.com/ciacontracapa/posts/1442920532421046  –  acessado em 22.5.2017