Inauguração da Igreja Matriz de Caculé

Inauguração da Igreja Matriz de Caculé

A inauguração e benção pelo Bispo de Caetité, da  Igreja Sagrado Coração de Jesus, ocorreu no dia 8 de setembro de 1968.

Praça Igreja - construção 1970 - MuseuDeCacule

Transcrevemos abaixo a matéria publicada no Jornal A Seta:
”   Esperando mais de um lustro, Caculé, eufórico viu no dia 8 de setembro, data consagrada ao seu excelso Padroeiro, o Sagrado Coração de Jesus, a inauguração de sua Igreja-Matriz, construída em estilo arquitetônico moderno, caracterizando-se o seu amplo auditório em forma de leque, possuindo na ala direita uma sala para escola primária e reuniões com capacidade para cinquênta elementos, bem como uma vasta sacristia.
A benção foi dada por D. Jose Pedro Costa, às 9 horas do referido dia e a seguir o nosso eminente Bispo, príncipe da oratória sacra, proferiu maravilhoso sermão pertinente ao ato, onde teceu louvores e agradecimento à Família Fernandes, maxime ao seu saudoso chefe Miguel Fernandes, o pioneiro e responsável pela construção do magnífico templo religioso, doado a esta Cidade.
Como representantes da Família Fernandes, compareceram às cerimônias inaugurais, a ilustre viúva D. Cacilda Castro Fernandes, o distinto casal Autímio e Aurinda (D. Iaiá) Fernandes, inclusive seu filho Valeriano Neto e espôsa.
Naquêle ensejo foi pretada uma homenagem póstuma a Miguel Fernandes, colocando em sinal de gratidão, o seu retrato na sacristia do referido templo, falando na ocasião o Prof. Eleutério Tavares, Sr. Valdemar Damasceno e por fim D. José Costa. ”   [1]

Igreja Matriz - Inauguração - Jornal A Seta - NOV 1968 - recorte MuseudeCacule
* Cópia do Jornal A Seta faz parte do Acervo (Reserva Técnica) do Museu de Caculé

 

Fotos mais recentes da Igreja Matriz (sem data):

 

 


Fonte:

[1]   Jornal A Seta,  N.3, publicado em Novembro de 1968, Caculé/BA

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Associação Rural de Caculé 

Em meados de 1956 a Associação Rural de Caculé foi fundada, com sede e foro em Caculé.

Foram os objetivos :
– organizar um centro de informação sobre a vida agropecuária ;
– criar serviços de assistência técnica, econômica e social ;
– promover o ensino profissional.

A direção era composta pelos agropecuaristas :
Presidente : Sr. Autímio Fernandes
Vice-presidente : Sr. José Fernandes
Secretários : Sr. João Pereira e Sr. Miguel Rodrigues
Tesoureiros : Sr. Elpídio Castro e Sr. Raul Brito

Comissão Fiscal: Sr. Antônio Teixeira, Sr. Fidelcino Carvalho, Sr. Francisco Amaral, Sr. Gersinho Correia, Sr. Joaquim Pereira e Sr. Custódio Aguiar.

 


Fonte:
[1] jornal A Seta, outubro 1956, Nr. 1, Ano 1, pág.1

 

 

 

 

 

A Casa do Motor 

“A Casa do Motor” era o nome dado pela população para o imóvel que abrigava os geradores de energia elétrica.   [1]
Localizada na Rua Juvêncio Teixeira Guimarães, no centro de Caculé; atualmente a APAE Caculé está sediada neste imóvel.   [2]

O primeiro gerador foi instalado em 1948/1949, sob a organização do Sr. Miguel Fernandes. 

A ampliação da rede de distribuição de energia elétrica e a instalação de 2 novos geradores,   de fabricação alemã [2], ocorreu durante o ano de 1976 na gestão do prefeito Sr. Antonio Alves Teixeira e inaugurados em 10.8.1976.   [4]

P.S.: Caculé recebeu a visita do Governador Roberto Santos no dia 10-08-76, tendo na oportunidade inaugurado oficialmente a Usina Municipal de Energia, … ”   [4]
Ainda no governo de Antonio Teixeira foram instalados mais 2 grupos geradores de   275 KVA cada, ampliando a rede de distribuição de energia elétrica para toda a cidade,  mediante convênio com a Secretaria de Minas e Energia do Estado.   [4]

Os geradores (ou motores) eram desligados às 22h; momento que cada morador utilizava lamparinas ou lanternas para a iluminação de sua residência.   [1]

Importante observar que antes do “Motor” o Aero-Clube  (atual Cine Teatro Eng. Dórea) possuía um gerador próprio que permitira as sessões de cinema, desde fins da década de 1940.   [5]

Com a chegada da luz elétrica pela empresa estatal de energia elétrica, os geradores foram desativados e o paradeiro desconhecido.

 


Fontes:
[1]   relatos da moradores
[2]   informação da Sra. Airam, em entrevista à Solange Graia, em agosto 2017
[3]   livro Recordos de Vespasiano Filho, 2000.
[4]   Folha Informativa sobre o governo municipal (capa de caderno), sem data, acervo do Professor José Carlos Teixeira.
[5]  informação de Sr. Nozinho, em entrevista à Solange Graia e Carlos White, em 25.8.2017.  (Em 1948, Sr. Nozinho era o projecionista do Aero-Clube)

 

 

 

 

 

 

Projeto: Passeando pelo Cine Teatro Dórea

Projeto: Passeando pelo Cine Teatro Dórea

Memorial - livro presença

INTRODUÇÃO :

Nosso município possui uma história riquíssima, partindo do contexto de sua própria origem, com Manuel Caculé, e sua peculiar narrativa que envolve patriotismo, desejo de liberdade, encantamento ; fatos que firmaram nossas terras e formaram nosso povo.

Partindo dessa origem, Caculé, depois de se tornar vila, segue seu curso apostando no desenvolvimento destas mesmas terras.

Com o passar dos anos, ergue-se um município promissor. Obras importantes são edificadas, entre essas, para uma sociedade ansiosa por cultura, nasce o Cine Teatro Engenheiro Dórea.

Inaugurado em 1940 (sic) para exibição de filmes, peças de teatro, bailes, programas de calouros e eventos sociais, passou a ser o ícone cultural de uma geração.

Mesmo em evidência durante vários anos, o Cine Teatro  encontrou vários problemas.   Teve sua estrutura deteriorada e, com o desenvolvimento urbano e criação de outros espaços para festas, era cada vez menos requisitado pelo público.   Acabou por fechar suas portas na década de 80.

Felizmente, toda a sociedade caculeense voltou a se encantar com o espaço cultural do Cine Teatro Engenheiro Dórea que em 2012 foi totalmente reformado, tendo sua cultura revitalizada.

Desde sua criação até o momento, mesmo no interim de sua quase extinção, a história do Cine Teatro se manteve viva na memória daqueles que o ocuparam e também nos relatos da história contada.

A história é viva enquanto houverem aqueles que a faça viver.

O Cine Teatro Engenheiro Dórea é um patrimônio histórico vivo, com um acervo encantador, onde todos podem viajar no tempo, discutir fatos relevantes e espelhar-se culturalmente.

JUSTIFICATIVA :

O projeto “Passeando pelo Cine Teatro Dórea” pretende levar ao público a história do cine teatro de Caculé desde sua criação, por meio de exposições de objetos, imagens, amostras fotográficas, vídeos, CDs e documentos preservados, associando aspectos culturais épicos a nossa sociedade atual.

Espera-se que, durante o contato com o acervo histórico em exposição, o visitante conheça nossa cultura e desperte maior interesse para a promoção de outros resgates históricos.

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO :

O projeto Passeando pelo Cine Teatro Dórea será organizado em forma de exposição de acervo, no segundo piso do seu prédio.

A primeira e exposição está datada para o dia 14 de agosto de 2017 sendo,  este evento,  parte das comemorações do aniversário da nossa cidade.

O acervo do projeto contará com a exposição dos seguintes itens :

  • Objetos :  máquinas, projetores, rolos de filmes, altofalantes, fitas de projeção, fichas de ingresso, carteiras de sócio, adornos e objetos de uso pessoal.
  • Audiovisual  :  slides, imagens, áudios e vídeos de diversas épocas, inclusive do processo de reinauguração e documentos preservados.

AGENDAMENTO :

Para uma melhor organização e acolhida aos visitantes, torna-se necessário que haja um agendamento com definição de data e horário.

 


Texto transcrito do original do Projeto apresentado à Secretaria de Educação, Cultura e Esportes de Caculé, em 10.7.2017.

O projeto foi idealizado e organizado por Carlos Alberto de Souza, Carlos White, entre os meses de abril e julho de 2017; e apresentado em junho de 2017 para aprovação pela referida Secretaria.

Contribuíram com o projeto:
Kleber Carinhanha
Solange Graia
Thomas Sachsse

Agradecimentos especiais para:
Prefeito Beto Maradona
Secretário Marcílio
Secretária de Educação, Cultura e Esporte: Adaílde Telles
Márcia Barreto
José Carlos Teixeira (Zé de Dila)
Sidnéia Graia (Néia Graia)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Colégio Estadual Norberto Fernandes

Colégio Estadual Norberto Fernandes

O colégio foi fundado em 1954, pelo Decreto nº. 15.913 de 2 de setembro de 1954, pelo governador Luiz Régis Pacheco Pereira, e foi inicialmente denominado “Ginásio Norberto Fernandes”.
Em 14 de junho de 1955, pela portaria do MEC nr. 667, foi autorizado o funcionamento do Ginásio.   [2]

O primeiro diretor, Professor Antônio de Meireles, era catedrático da Escola Normal de Caetité.   [2]

Nos dias 5 e 7 de maio de 1955 foram realizados os Exames de Admissão.
Dos 90 candidatos inscritos, 3 não compareceram e 72 foram aprovados.
No 1º ano foram matriculados 76 alunos (4 alunos por transferência).   [2]
image

” No dia 6 de outubro de 1954, no salão nobre do Aeroclube da cidade de Caculé, estado da Bahia, hoje, Cine Teatro Engenheiro Dórea, sob a presidência do Excelentíssimo Sr. Miguel Fernandes, prefeito municipal, Excelentíssimo Sr. Antônio Fernandes, deputado estadual, foi realizada a Sessão Solenemente, para comunicar a todo povo Caculeense a autorização de funcionamento e dar posse ao primeiro diretor do Ginásio Oficial Norberto Fernandes de Caculé (1. ciclo).

Autorizado pelo então governador da Bahia, Luiz Registro Pacheco Pereira, em 2 de setembro de 1954, pelo Decreto Nr. 15.913, e publicado Diário Oficial do dia 9 de setembro de 1954, passando a funcionar provisoriamente na Escola denominada Escola Rural, hoje Escola Dona Júlia Montenegro Magalhães.
Foi empossado o primeiro diretor, professor catedrático Antônio de Meireles, da Escola Normal de Caetité.

O primeiro ato do diretor ora empossado, foi dar posse ao corpo discente da Instituição :
Sr. Mário Alves Coelho, na função Auxiliar de Administração
Dr. Vespasiano José da Silva Filho, na função de Instrutor de Matemática
Dr. Deoclides Cardoso de Sousa, na função de Instrutor de História Geral
Padre Daniel Batista Neves, na função Instrutor de Português e Latim
Professora Helena Fróis de Castilho , na função Instrutora de Geografia
Eny Meirelles de Castro, na função Instrutora de Português
Zélia Fernandes Guimarães, farmacêutica, na função Instrutora de Francês
Walter Pinho, eletro-mecânico , na função Instrutor de Desenho
Professora Maria do Carmo Fernandes Ivo, na função Instrutora e Trabalhos Manuais
José Fernandes, na função Instrutor de Educação Física
Professora Maria do Carmo de Castro Fagundes, na função Instrutora em História Geral
Professor Edmundo Silveira Souza, na função Instrutor Canto Orfeônico
Professora Livia Maria Machado Viana Cunha, na função Instrutora de Inglês
Arlinda Maciel Santos, na função Atendente
Maria Laudenbach Alcântara, na função Atendente
Iani Moreira dos Santos Machado, na função Servente
José Damascena, na função Vigia
Iani Cardoso de Lima Silva, na função Porteira   ”

 

 

 


Fontes:

[1]   

[2]   livro “Caculé de Miguelzinho”,  . pág.

[3]   livro “Minhas Memórias – Antes que seja Tarde”, do Prof. Deba –  pág.

[4]   texto de autoria desconhecida (sem verificação da autenticidade) – sujeito a erros e ajustes.

[5]   site  da Secretaria de Educação do Governo do Estado da Bahia  – http://escolas.educacao.ba.gov.br/node/12670 – acessado em 28.3.2016

[6]   site Escolas Brasil  – http://escolasbr.com/ee-colegio-estadual-norberto-fernandes – acesso em 29.3.2016

[7]   site Informe Cidade  – http://www.informecidade.com/2014/08/cacule-familiares-e-amigos-prestam-ultima-homenagem-ao-professor-jose-joaquim/ – acesso em 28.3.2016

[8]   site Taberna da História do Sertão Baiano: Primeira turma do Norberto Fernandes formou-se em 1958  – http://tabernadahistoriavc.com.br/primeira-turma-do-norberto-fernandes-formou-se-em-1958/  –  acesso em 28.3.2016

[9]

 

 

 

História do Jardim de Alah

História do Jardim de Alah

Por que conhecer o Jardim de Alah no Rio de Janeiro ? O que tem a ver com Caculé ?
Pensei muito se valeria a pena incluir um texto com uma breve informação sobre o parque, ou melhor, o Jardim de Alah localizado na Zona Sul Carioca, conectando os bairros de Ipanema, Leblon e Lagoa Rodrigo de Freitas.
A importância em conhecermos e registramos a história da nossa cidade, Caculé, vai além dos limites da cidade, pois, as influências externas foram um dos motores para o crescimento de Caculé.
Conhecermos a história,a origem dos locais e sua influência em nossa cidade, ajuda a compreendermos sua história e o momento histórico de sua construção.

A Praça J.J.Seabra foi concebida e construída por Miguel Fernandes à época que muito viajava à Capital Federal, no Rio de Janeiro.
Miguel Fernandes, que muito fez para o desenvolvimento de Caculé,  trazia para a cidade uma clara influência da capital federal.
Posteriormente a Praça J.J.Seabra sofreu grande mudança arquitetônica e paisagística no governo do Prefeito Luciano Ribeiro (DEM-BA).
Atualmente a Praça do Jardim, como ficou conhecida, mantem sua importância, sendo referência para a população.
Lojas, residências e o Banco Bradesco estão localizados na praça, que também é muito utilizada para lazer (inclusive à noite).

 

Fotos do Livro - Caculé de Miguelzinho - 258-b
Foto publicada no livro: Caculé de Miguelzinho
16113983_385616011783922_5720349671377449724_n
Foto do Jardim de Alah, década de 1930, autor desconhecido.   É possível observar a semelhança arquitetônica e de paisagismo com a Praça J.J.Seabra (Praça do Jardim).

 

o-jardim
Vista atual do canal e do Jardim de Alah  (a Lagoa abaixo e acima: margem esquerda do canal está o bairro de Ipanema e à direita o bairro do Leblon)

 

” O famoso canal, localizado entre Ipanema e Leblon, tem um passado de bonitas memórias. Antes de ser Jardim de Alah, o local era chamado por três nomes: Praça Grécia, Praça Couto Abel e Praça Saldanha da Gama.

O nome passou a ser Jardim de Alah depois que os jardins da área ficaram totalmente prontos, além da inspiração em um famoso filme da época ‘O Jardim de Alá’, lançado em 1936”, pontua o historiador Maurício Santos.

Os jardins ficaram prontos em 1938. O projeto foi baseado no trabalho do arquiteto francês Alfredo Agache para outros jardins. O responsável pela obra no Jardim de Alah foi o brasileiro David Xavier de Azambuja.
anos-1950

O Canal, em si, que ligava a Lagoa Rodrigo de Freitas à praia é anterior ao Jardim. Ele foi construído na década de 1920, no intuito de deixar as águas da Lagoa mais salubre e evitar enchentes.

Pouca gente sabe, mas décadas atrás existiam gôndolas [como as de Veneza]que levavam pessoas através do canal até à Lagoa Rodrigo de Freitas”, pontuou o historiador Milton Teixeira à Rádio Globo.
gc3b4ndulas-no-jardim-300x295

Além disso, entre 1950 e 1960 era possível alugar pedalinhos para se navegar pelo Canal, apreciando a vista do Jardim.

Em dezembro de 2003, durante a prefeitura de César Maia, o Jardim de Alah passou por uma grande reforma, pois estava em péssimo estado de conservação.

Contudo, anos depois os problemas de má conservação voltaram e hoje em dia, o Jardim de Alah está longe do melhor estado físico, se tornando menos atrativo do que deveria ser.

entrada-do-metrc3b4

A construção da Linha 4 do metrô, que tem a estação Jardim de Alah, é uma esperança de que a região volte a ser um ponto mais visitado pela população, o que não vem acontecendo com tanta intensidade.  ”  [1]

” Em 1920, quase 30 anos depois da proposta do projeto de transposição de suas águas, a Lagoa Rodrigo de Freitas recebeu as primeiras obras de saneamento. Foram construídos dois canais de comunicação com o mar, ambos projetados pelo engenheiro Saturnino de Brito.

O primeiro, para recolher as águas pluviais da serra do Corcovado, pela Avenida Visconde de Albuquerque. O segundo, o Jardim de Alah, com 140 metros de extensão, servia para a comunicação das águas da Lagoa Rodrigo de Freitas com o mar, visando oxigenar, manter a salinidade e propiciar a ligação permanente, o que contribuía para diminuir o problema das enchentes. (…)

Durante a presidência de Washington Luís (1926-1930), o então prefeito Prado Júnior, decidido a implantar o estilo urbanístico de Paris no Rio de Janeiro, contratou o professor e o arquiteto francês Alfredo Agache, considerado “pai do urbanismo”.

Em Ipanema e no Leblon, o plano previa a construção e quadras residenciais com espaços arborizados para descanso e lazer. No governo Getúlio Vargas, entretanto, o plano foi revogado.

Na década de 1930, Ipanema ganhou finalmente um projeto urbanístico que propunha o nivelamento da faixa de areia e o ajardinamento na área mais próxima à avenida, com o plantio de mudas de coqueiros. É dessa época ainda a construção de duas piscinas públicas. Uma na ponta do Arpoador e outra no início da Avenida Niemeyer, no Leblon, que jamais fizeram sucesso e acabaram demolidas.

Os jardins do Calabouço, projetados por Agache, foram reinterpretados e implantados em Ipanema, em torno do canal, no Jardim de Alah, pelo paisagista David Xavier de Azambuja, sob as ordens do prefeito Henrique Dodsworth. O estilo arquitetônico art déco do original é perfeitamente identificável naquele parque, no qual a prefeitura procurava criar um lugar romântico, com cais e gôndolas para passeios na lagoa. Inaugurado em 1938, quando fazia sucesso nos cinemas do Rio o filme Jardim de Alah, com Marlene Dietrich, que acabou dando nome ao lugar.  ”  [2]

 

Em 2003, foi totalmente renovado pela Prefeitura do Rio, na administração do prefeito César Maia, sendo reinaugurado em 20 de dezembro daquele ano.

A estação Jardim de Alah do Metrô Rio, inaugurada em 30.7.2016, possui dois acessos: na esquina das avenidas Borges de Medeiros com Ataulfo de Paiva e outro na própria Ataulfo de Paiva, próximo à Rua Almirante Pereira Guimarães.  [4]

 

 


Fontes:

[1]   transcrição do site Diário do Rio: “História do Jardim de Alah e seu passado com gôndolas”  –  http://diariodorio.com/historia-do-jardim-de-alah/  –  acessado em 26.4.2017

[2]  transcrição de parte do livro: BALSA, Marilena. Ipanema de rua em rua : do Arpoador ao Jardim de Alah. Rio de Janeiro : Ed. Rio, 2005. P. 27-30.

[3]  blog Verde do Jornal O Globo online  –  http://blogs.oglobo.globo.com/blog-verde/post/a-historia-do-canal-do-jardim-de-alah-186735.html  –  acessado em 27.4.2017

[4]  matéria no Jornal G1: Com Temer e Pezão, Linha 4 do Metrô no Rio é inaugurada  –  http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2016/07/temer-participa-de-inauguracao-da-linha-4-do-metro-no-rio.html  –  acessado em 27.4.2017

 

 

 

 

 

.

Série “Sertão sobre Trilhos”

Série “Sertão sobre Trilhos”

O canal de TV  InterTV, Grande Minas, filiada da TV Globo em Minas Gerais,  apresentou uma série sobre a ferrovia no Norte de Minas Gerais.
Esses trilhos foram ligados à linha férrea baiana, que passa por Caculé, em 1947, na cidade de Montes Azul.
Essa matéria, apesar de falar sobre a estrada férrea e o desenvolvimento da região Norte de Minas propiciada pela ferrovia,  também ajuda a entender a importância histórica da ferrovia no Sudoeste Baiano e o desenvolvimento das cidades do sertão da Bahia.


Inter TV produz série sobre história do trem de ferro no Norte de Minas

Reportagens vão mostrar o desenvolvimento com a chegada das linhas férreas   [1]

17/10/2016 17h41 – Atualizado em 19/10/2016 12h08

trem

” Nos rastros do trem, muita história para contar. Há 90 anos, as linhas de ferro anunciavam ao sertão norte-mineiro um tempo de desenvolvimento e muitas transformações. Há quem diga que o progresso tenha chegado ao Norte de Minas pelos trilhos. Vamos conhecer toda esta história juntos. O repórter Geraldo Humberto, junto com o cinegrafista Ricardo Caroba, embarcou nesta viagem e ainda tem lugar no trem. Passagens a postos? O ponto de partida é o MG Inter TV 1ª Edição, nesta terça-feira (18).

A equipe da Inter TV Grande Minas estaciona, no primeiro episódio da série, diretamente no século XX. São muitos detalhes de um tempo em que os protagonistas são da Família Real. A Ferrovia Dom Pedro II era um projeto traçado desde o Império, para ligar o Brasil de norte a sul. Na região do Norte de Minas, as linhas férreas estão ligadas aos tropeiros e boiadeiros, que por  volta de 1831 começam a usar currais próximos ao Rio das Velhas, atraindo novos moradores e criando assim a comunidade de Curralinho.

O ponto estratégico para o trem surgiria naquele ponto e, mais tarde, em Corinto. Dá para acreditar que o ferroviário aposentado, Álvaro Maciel, participou da história e contou tudo para o Geraldo Humberto? É história viva! Nosso repórter ainda percorreu os trilhos de todas as cidades da região.

No segundo capítulo, nossa locomotiva avança. A Ferrovia Central do Brasil avançava para o extremo Norte do Estado para ir de encontro ao povo nordestino. Era a integração entre Minas e Bahia. Participaram também pequenas comunidades que depois se tornaram municípios, como Francisco Sá, Janaúba, Capitão Enéas e Monte Azul.

Na terceira reportagem da série, você vai ver como funciona atualmente um trem de passageiros. A nossa reportagem fez uma viagem entre Ipatinga e Governador Valadares para mostrar a tecnologia, estrutura e recursos.

Apesar de toda história que os trens carregam, o quarto episódio da série fala sobre saudade. Tudo isso porque as locomotivas foram perdendo força e, em 1996, pararam de vez de transportar pessoas. A partir daquele ano, apenas grandes cargas passam pelos trilhos do Norte de Minas. O saudosismo de quem participou da história e via o trem passar com muita alegria, se tornou esperança e vontade de ver o trem voltar.

Deu para sentir que o MG Inter TV 1ª Edição vai trazer muitas surpresas, não é mesmo? Não perca este resgate histórico e relembre tudo sobre a era do trem de ferro no Norte de Minas. ”  [1]

 

 


Capa do Programa Sertao Sobre Trilhos.PNG

 

Episódio 1:
“Veja como o trem de ferro trouxe progresso para o Norte de Minas”
http://g1.globo.com/mg/grande-minas//videos/v/sertao-sobre-trilhos-veja-como-o-trem-de-ferro-trouxe-progresso-para-o-norte-de-minas/5385813/

Episódio 2:
“Chegada das ferrovias traz prosperidade para o Norte de Minas”
http://g1.globo.com/mg/grande-minas//videos/v/sertao-sobre-trilhos-chegada-das-ferrovias-traz-prosperidade-para-o-norte-de-minas/5388844/

Episódio 3:
“Viagem histórica continua e vai até o Leste de Minas”
http://g1.globo.com/mg/grande-minas//videos/v/sertao-sobre-trilhos-viagem-historica-continua-e-vai-ate-o-leste-de-minas/5391349/

Episódio 4:
“Último episódio do ‘Sertão sobre Trilhos’ fala sobre saudades do trem de passageiros”
http://g1.globo.com/mg/grande-minas//videos/v/ultimo-episodio-do-sertao-sobre-trilhos-fala-sobre-saudades-do-trem-de-passageiros/5394087/

 


Fontes:
 .
 .
[2]  série “Sertão Sobre Trilhos” da InterTV  –  vários links do site oficial
 .
[3]  matéria no site da InterTV, Grande Minas  –  http://g1.globo.com/mg/grande-minas/noticia/2016/10/chegada-da-ferrovia-central-do-brasil-ao-norte-de-minas-completa-90-anos.html  –  acessado em 22.10.2016

.