A obra de Moraes Moreira

Antônio Carlos Moreira Pires, nasceu em Ituaçu, em 8.7.1947.
Seu primeiro instrumento foi a sanfona. Logo depois, passou a tocar violão e guitarra.
Residiu em Caculé, para estudar o Científico (atual Ensino Médio), entre 1963 e 1966.
Em 1966, transferiu-se para a cidade de Salvador e foi morar em uma pensão, onde conheceu Paulinho Boca de Cantor e Luis Galvão, com os quais formaria mais tarde o grupo Os Novos Baianos. Por essa época trabalhava como bancário.

 

Dados Artísticos

Em 1968, juntamente com Paulinho Boca de Cantor, Luis Galvão, Pepeu Gomes e Baby Consuelo (hoje Baby do Brasil), formou o grupo Os Novos Baianos, que fez sua estréia com o show “Desembarque dos bichos depois do dilúvio”, em Salvador.

No ano seguinte, participou, com o conjunto, do V Festival da Música Popular Brasileira da TV Record de São Paulo, com sua composição “De Vera” (c/ Galvão). A canção foi registrada no primeiro LP do grupo, lançado nesse mesmo ano, ao lado de outras da mesma dupla de parceiros como “É ferro na boneca” e “A casca de banana que pisei”.

Em 1970, Baby Consuelo lançou um compacto simples, pela RGE, contendo outra música de sua autoria, “Curto de véu e grinalda” (c/ Galvão).

Ainda no início dos anos 1970, transferiu-se com os outros integrantes do conjunto Os Novos Baianos para o Rio de Janeiro, vivendo inicialmente em um apartamento em Botafogo e, mais tarde, em um sítio em Vargem Grande.

Em 1972, o grupo incorporou o baixista carioca Dadi e os percussionistas Jorginho Gomes, Baixinho e Luis Bolacha. Redirecionado musicalmente pela influência de João Gilberto, amigo de infância de Luis Galvão, o conjunto gravou, pela Som Livre, o LP “Acabou Chorare”, contendo, entre outras, canções de sua parceria com Galvão, como a faixa título, “Mistério do planeta”, “A menina dança”, “Um bilhete pra Didi”, “Tinindo trincando” e “Preta, Pretinha”, esta última vindo a se tornar um dos maiores sucessos do grupo, que também ficaria conhecido pela releitura de “Brasil pandeiro” (Assis Valente), incluída nesse mesmo LP.

Em 1973, ainda com o grupo, lançou o LP “Novos Baianos Futebol Clube”. Neste disco, foram registrados outros sucessos de sua autoria, como “Besta é tu” (c/ Pepeu e Galvão), “Sorrir e cantar como Bahia” e “Só se não for brasileiro nessa hora”, ambas em parceria com Galvão, entre outras. O disco incluiu também uma releitura de “Samba da minha terra” (Dorival Caymmi), que se tornaria outro grande sucesso do conjunto.

Em 1974, ainda com o grupo, lançou pela Continental o LP “Linguagem do alunte”, no qual foram incluídas, de sua parceria com Galvão, a faixa-título, “Ao poeta”, “Reis da bola”, “Ladeira da praça” e “Fala tamborim”, entre outras. Com a dissolução do conjunto, partiu para carreira solo. Nesse mesmo ano, participou da trilha sonora da novela “Gabriela” (TV Globo), na qual interpretou sua música “Guitarra baiana”.

Em 1975, lançou seu primeiro disco solo, “Moraes Moreira”.

No ano seguinte, iniciou uma parceria com o poeta Fausto Nilo, com quem compôs “Santa fé”, tema de abertura da novela “Roque Santeiro” (Rede Globo). Ainda em 1976, participou, como cantor, do Trio Elétrico de Dodô e Osmar.

Lançou, em 1977, o LP “Cara e coração”.

Em 1978, lançou o LP “Alto falante”. Nesse mesmo ano, Zezé Motta interpretou sua música “Crioula” em disco lançado pela gravadora Atlantic.

Em 1979, lançou o LP “Lá vem o Brasil descendo a ladeira”. Nesse mesmo ano, Terezinha de Jesus incluiu no repertório do LP “Vento Nordeste” (CBS) sua composição “Fogo fátuo” (c/ Chacal). Também em 1979, Zizi Possi e o grupo A Cor do Som interpretaram “Fruto maduro”, de sua autoria. Ainda nesse ano, Paulinho Boca de Cantor, ex-integrante dos Novos Baianos e também seguindo carreira solo, incluiu diversas composições de sua autoria em disco lançado pela gravadora Epic: “Nossa trajetória” (c/ Paulinho e Galvão), “Mambeando à beira mar” (c/ Jorginho, Paulinho e Galvão), “Leva o vento” (c/ Galvão) e “Eu sou um padeiro”.

Em 1980, lançou o LP “Bazar brasileiro”. Nesse mesmo ano, Terezinha de Jesus registrou, no LP “Caso de amor”, sua música “Tua sedução” (c/ Fausto Nilo).

Em 1981, lançou o LP “Moraes Moreira. Elza Maria incluiu, no disco “Entra na Rosa” (PolyGram), lançado também nesse ano, sua canção “Pelo microfone” (c/ Fausto Nilo). A música seria regravada mais tarde, também com sucesso, por Elba Ramalho. Ainda em 1981, a dupla Bendegó, formada por Capenga e Gereba, gravou “Do I Ching ao Xingu”, de sua parceria com Capenga e Antonio Risério.

Lançou, em 1982, o LP “Coisa acesa”. Nesse mesmo ano, com direção e roteiro de Fred Góes, montou o show “Pintando o oito”, apresentado no Anhembi (SP). Também em 1982, Ângela Maria gravou sua canção “Sempre Ângela” (c/ Fred Góes e Paulo Leminski).

No ano seguinte, lançou o LP “Pintando o oito”.

Em 1984, gravou o LP “Mancha de dendê não sai”. Também nesse ano, Zezé Motta incluiu, no LP “Frágil força”, sua música “Nega Dina” (c/ Capinan) e Zizi Possi regravou “Dê um rolê” (c/ Galvão), sucesso dos anos 1970 na voz de Gal Costa.

Em 1985, Beth Carvalho interpretou “O encanto do Gantois”, de sua parceria com Edil Pacheco. Ainda nesse ano, compôs com Fausto Nilo “Olhos de Xangô”, incluída na minissérie “Tenda dos Milagres” (Rede Globo). Também em 1985, Luiz Gonzaga gravou “Instrumento bom”, de sua parceria com Fred Góes.

Em 1986, lançou o LP “Tocando a vida”. Nesse ano, sua composição “Dança do amor” (c/ João Donato) foi interpretada por Tânia Alves, no LP “Dona de mim” (CBS).

Em 1987, gravou o LP “Mestiço é isso?”. Nesse ano, Fausto Nilo lançou o disco “12 Letras de Sucesso”, no qual o letrista compilou algumas de suas músicas mais conhecidas, em gravações de grandes artistas da MPB, algumas de autoria da dupla, como “Bloco do prazer”, com Gal Costa, e “De noite e de dia”, com Maria Bethânia, além de sua própria gravação de “Meninas do Brasil” e “Santa Fé”.

Em 1988, lançou os LPs “Bahiano fala cantando” e “República da música”. Também nesse ano, apresentou-se, ao lado de Armandinho, em turnê de shows nos Estados Unidos.

Em 1989, Elba Ramalho interpretou “Popular brasileira”, de sua parceria com Fred Góes, faixa que deu título ao disco da cantora. Nesse mesmo ano, Fred Góes fez o roteiro de seu especial para a Rede Manchete. Ainda em 1989, participou do disco de Armandinho.

Em 1990, fez dupla com Pepeu Gomes, com quem lançou o disco “Moraes e Pepeu”. No ano seguinte, o disco foi lançado no Japão.

Em 1991, gravou o disco “Cidadão”, no qual registrou, entre outras, “Leda” (c/ Paulo Leminski) e a faixa-título, de sua parceria com Capinan.

Um ano depois, convidado por Almir Chediak, participou do songbook de Gilberto Gil, interpretando ao lado de seu filho Davi Moraes a música “Procissão”.

Em 1993, lançou o CD “Terreiro do mundo”, com destaque para sua canção “Agradeça ao Pelô” (c/ Neguinho do Samba), e o CD “Tem um pé no Pelô”.

Gravou, no ano seguinte, o CD “O Brasil tem conserto”.

Em 1995, lançou o CD “Acústico Moraes Moreira”, interpretando 15 sucessos de sua carreira, dentre os quais “Lá vem o Brasil descendo a ladeira” (c/ Pepeu), “Festa do interior” (c/ Abel Silva), “Coisa acesa” (c/ Fausto Nilo), “Acabou chorare” e “Preta Pretinha”, ambas com Galvão.

Em 1996, lançou o CD “Estados”.

No ano seguinte, juntamente com Baby do Brasil, Paulinho Boca de Cantor, Luis Galvão e Pepeu Gomes, entre outros componentes do grupo Novos Baianos, apresentou o show “Infinito Circular”, no Metropolitan (RJ). O espetáculo foi gravado e deu origem ao disco homônimo, lançado no mesmo ano. Ainda em 1997, gravou gravou o CD “50 Carnavais”, contendo sete músicas inéditas e cinco regravações de antigos sucessos.

Em 1999, lançou o CD “500 sambas”.

Em 2001, participou do Rock In Rio, apresentando-se, com seu trio elétrico, no Palco Mundo.

Lançou, em 2003, o CD “Meu nome é Brasil”, contendo suas canções “Violão cidadão” e “Mais que palavras”, ambas com Fred Góes, “Minha pérola”, “Choro novo” (c/ Armandinho), “Indagações de um analfabeto” (c/ Zé Walter), “Rainha da cocada preta” (c/ Tavinho Paes), “Me azara meu amor” (c/ Abel Silva), “Eu sou o caso deles” (c/ Galvão) e “Tô fazendo” (c/ Fred Góes e Maria Vasco), além de “Gente humilde” (Garoto, Chico Buarque e Vinícius de Moraes), “Respeita Januário” (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira), “Aos pés da Cruz” (Marino Pinto e Zé da Zilda) e “Trem das Onze” (Adoniran Barbosa). Fez show de lançamento do disco no Teatro Rival BR (RJ).

Em 2005, gravou o CD “De repente”, contendo suas canções “Povo brasileiro” (c/ Armandinho), “Pra vida inteira”, “Baião D2”, “Palavra de poeta” (c/ Fred Góes) e “Na glória do samba”, entre outras. Fez show de lançamento do disco na Feira de São Cristóvão, ponto de encontro do povo nordestino no Rio de Janeiro, e na Modern Sound (RJ).

Constam da relação dos intérpretes de suas canções, além dos já citados, Daniela Mercury (“Monumento vivo”, com Davi Moraes), Ney Matogrosso, Luis Melodia (“Mistério do planeta”, com Luis Galvão), Fagner, Simone (“Pão e poesia”, com Fausto Nilo), Marisa Monte (“Dê um rolê”, com Galvão) e Gal Costa (“Festa do Interior”, com Abel Silva, música mais tocada em 1982), entre vários outros.

Em linguagem de cordel, lançou, em 2007, o livro “A história dos Novos Baianos e outros versos” (Língua Geral Editora), acompanhado de um CD que registra sua voz na leitura do cordel e também de poemas inéditos e letras de sua autoria. O lançamento foi celebrado na Modern Sound (RJ), com leitura de trechos do livro e performance musical, ao lado de seu filho, o guitarrista Davi Moraes.

Lançou, em 2009, o CD e DVD “Moraes Moreira – A História dos Novos Baianos e Outros Versos”, gravado na Feira de São Cristovão, com direção de João Falcão. No repertório, suas canções “Ferro na boneca”, “Acabou Chorare”, “Mistério do Planeta”, “A menina dança” e “Preta Pretinha”, todas em parceria com Galvão, “Lá vem o Brasil descendo a ladeira” (c/ Pepeu Gomes), “Sintonia” (c/ Zeca Barreto e Fred Góes), “Eu também quero beijar” (c/ Pepeu Gomes e Fausto Nilo), “Bloco do prazer” (c/ Fausto Nilo”, “Spok Frevo Spok” (c/ Fernando Caneca), “Chame gente” (c/ Armandinho) e “Festa do interior” (c/ Abel Silva), além de “Um bilhete pra Didi” (Jorge Gomes), “Brasil Pandeiro” (Assis Valente) e “Vassourinhas” ( Matias da Rocha e Joana Batista Ramos).

Em 2010, lançou o livro “Sonhos elétricos”, reunindo crônicas, cordéis, letras de músicas e fatos de sua biografia.

Apresentou-se, em 2011, no Instituto Moreira Salles, com o repertório do disco “Acabou Chorare”, LP antológico lançado, em 1972, pelo grupo Os Novos Baianos, do qual é fundador. O show, recheado de histórias do conjunto, contou com a participação de Davi Moraes.

Lançou, em 2012, o CD “A revolta dos ritmos”, primeiro disco de inéditas em sete anos. No repertório, “Feito Jorge Ser Amado”, “A dor do poeta”, “Brasileira Academia” e a faixa-título, entre outras. Também nesse ano, participou da série “Grandes nomes, grandes discos”, na casa Miranda (RJ), falando sobre o LP “Acabou Chorare” e interpretando canções do disco que gravou com o grupo Os Novos Baianos em 1972. A mesa contou com a participação do pesquisador Fred Góes. Ainda em 2012, foi um dos palestrantes da série “De conversa em conversa” do 3º Salão de Leitura, realizado no Teatro Popular de Niterói. Nesse mesmo ano, celebrando os 40 anos de lançamento do disco “Acabou chorare”, que gravou como integrante do grupo Os Novos Baianos, fez show ao lado do filho, Davi Moraes, no Instituto Moreira Salles. Em seguida, saiu em turnê comemorativa, que teve estreia no Studio RJ, no Rio, desta vez com a participação de outros músicos.

Em 2013, fez show de lançamento do CD “A revolta dos ritmos” no espaço Miranda (RJ). Nesse mesmo ano, foi contemplado com o Prêmio da Música Brasileira, nas categorias Melhor Cantor Regional e Melhor Álbum Regional, pelo CD “A revolta dos ritmos”. Ainda em 2013, apresentou o show “Pé de Serra” no Teatro Net Rio (RJ).

 

Obra

  • A casca de banana que eu pisei (c/ Galvão)
  • A dor do poeta
  • A lua dos amantes (c/ Pepeu Gomes)
  • A menina dança (c/ Galvão)
  • A revolta dos ritmos
  • Acabou chorare (c/ Galvão)
  • Agradeço ao Pelô (c/ Neguinho do Samba)
  • Alto falante
  • América tropical (c/ Pepeu Gomes)
  • Ao Poeta (c/ Pepeu e Galvão)
  • Arco-íris (c/ Sivuca e Glorinha Gadelha)
  • Atrás da verde e rosa só não vai quem já morreu (c/ David Antonio Corrêa, Paulo Roberto Carvalho, Carlos Expedito Sena Machado, Ubirajara da Conceição Araújo e Abel Silva)
  • Aventura de Deus (c/ Fred Góes)
  • Baião D2
  • Balança Rio (c/ Fred Góes)
  • Baldes do Maracanã (c/ Abel Silva)
  • Banda Cigana (c/ Pepeu Gomes)
  • Beber na fonte (c/ Fred Góes)
  • Bem viver (c/ Pepeu Gomes)
  • Besta é tu (c/ Pepeu e Galvão)
  • Bloco do prazer (c/ Fausto Nilo)
  • Boca do balão (c/ Fred Góes e Zeca Barreto)
  • Brasil campeão (c/ Pepeu Gomes)
  • Brasileira Academia
  • Bumerangue (c/ Abel Silva)
  • Calundu (c/ Fred Góes)
  • Carnaval (c/ Abel Silva, David Batteau e Mary Elker)
  • Chuvisco no samba (c/ Pepeu Gomes)
  • Cidadão (c/ Capinan)
  • Cidade dos brasileiros (c/ Abel Silva)
  • Coisa Acesa (c/ Fausto Nilo)
  • Colégio de Aplicação (c/ Galvão)
  • Cordão de ouro (c/ Fred Góes)
  • Cosia acesa (c/ Fausto Nilo)
  • Crioula
  • Curto de véu e grinalda (c/ Galvão)
  • Dança do amor (c/ João Donato)
  • De noite e de dia (c/ Fausto Nilo)
  • Dê um rolê (c/ Galvão)
  • De vera (c/ Galvão)
  • Do I Ching Ao Xingú (c/ Capenga e Antonio Risério)
  • É bom suar (c/ Pepeu Gomes e Fred Góes)
  • É ferro na boneca (c/ Galvão)
  • Espírito esportivo (c/ Abel Silva)
  • Estado de graça (c/ Armandinho)
  • Eu sou o caso deles (c/ Galvão)
  • Eu sou um pandeiro
  • Eu também quero beijar (c/ Fausto Nilo e Pepeu Gomes)
  • Fala tamborim (c/ Galvão)
  • Feito Jorge Ser Amado
  • Feito Muhammed Ali (c/ Abel Silva)
  • Felicidade no ar (c/ Galvão)
  • Festa do interior (c/ Abel Silva)
  • Fogo fátuo (c/ Chacal)
  • Forró do ABC (Patinhas)
  • Fruto maduro
  • Guitarra cigana
  • Idade dos brasileiros (c/ Abel Silva)
  • Instrumento bom (c/ Fred Góes)
  • Lá vem o Brasil descendo a ladeira (c/ Pepeu Gomes)
  • Ladeira da praça (c/ Galvão)
  • Leda (c/ Paulo Leminski)
  • Leva o vento (c/ Galvão)
  • Linguagem do alunte (c/ Pepeu Gomes e Galvão)
  • Mais que palavras (c/ Fred Góes)
  • Mambeando a beira-mar (c/ Jorginho, Paulinho Boca de Cantor e Galvão)
  • Melodia do amor (c/ Abel Silva)
  • Meninas de Minas Gerais (c/ Tony Costa e Guilherme Maia)
  • Meninas do Brasil (c/ Fausto Nilo)
  • Meninos do Brasil (c/ Abel Silva)
  • Miragem (c/ Galvão)
  • Mistério do planeta (c/ Galvão)
  • Monumento vivo (c/ Davi Moraes)
  • Na glória do samba
  • Nega Dina (c/ Capinan)
  • Nordeste cosmopolita (c/ Fred Góes)
  • Nossa trajetória (c/ Paulinho Boca de Cantor e Galvão)
  • O Encanto do Gantois (c/ Edil Pacheco)
  • Olhos de Xangô (c/ Fausto Nilo)
  • Os carapintadas (c/ Abel Silva)
  • Outros meninos (c/ Abel Silva)
  • Palavra (c/ Fred Góes)
  • Palavra de poeta (c/ Fred Góes)
  • Pão e poesia (c/ Fausto Nilo)
  • Pelo microfone (c/ Fausto Nilo)
  • Pernambuco e Brasil
  • Piano ex-cravo (c/ Fred Góes e Aroldo Macedo)
  • Pombo correio (c/ Dodô e Osmar)
  • Popular brasileira (c/ Fred Góes)
  • Povo brasileiro (c/ Armandinho)
  • Pra vida Inteira
  • Preta pretinha (c/ Galvão)
  • Quem nunca foi menino (c/ Abel Silva)
  • Rádio coração (c/ Fred Góes)
  • Reis da bola (c/ Pepeu e Galvão)
  • Salseiro (c/ Pepeu Gomes)
  • Salve São Paulo (c/ Béu Machado e Pepeu Gomes)
  • Santa fé (c/ Fausto Nilo)
  • Segue o mantra (c/ Fred Góes e Zeca Barreto)
  • Sempre Ângela (c/ Fred Góes e Paulo Leminski)
  • Sintonia (c/ Fred Góes e Zeca Barreto)
  • Só se não for brasileiro nessa hora (c/ Galvão)
  • Sorrir e cantar como Bahia (c/ Galvão)
  • Swing de Campo Grande (c/ Paulinho Boca de Cantor e Galvão)
  • Tinindo trincando (c/ Galvão)
  • Traiçoeiro caçador (c/ Béu Machado e Pepeu Gomes)
  • Tua sedução (c/ Fausto Nilo)
  • Um bilhete pra Didi (c/ Galvão)
  • Vassourinha elétrica

 

Discografia

  • (2012) A revolta dos ritmos (Moraes Moreira) – Biscoito Fino – CD
  • (2009) Moraes Moreira – A História dos Novos Baianos e Outros Versos • Biscoito Fino
  • (2005) De repente • Rob Digital • CD
  • (2003) Meu nome é Brasil • MZA Music • CD
  • (2000) Bahião com H • Atração Fonográfica • CD
  • (1999) 500 sambas • Abril Music • CD
  • (1997) 50 Carnavais • Virgin • CD
  • (1997) Infinito circular. Os Novos Baianos • PolyGram • CD
  • (1996) Estados • Virgin • CD
  • (1995) Acústico Moraes Moreira • Virgin/EMI-Odeon • CD
  • (1994) O Brasil tem conserto • PolyGram • CD
  • (1993) Terreiro do mundo • PolyGram • CD
  • (1993) Tem um pé no pelô • Som Livre • CD
  • (1991) Moraes e Pepeu no Japão • WEA • LP
  • (1991) Cidadão • Sony Music • CD
  • (1990) Moraes e Pepeu. Moraes Moreira e Pepeu Gomes • WEA • LP
  • (1988) Bahiano fala cantando • CBS • LP
  • (1988) República da música • CBS • LP
  • (1987) Mestiço é isso? • CBS • LP
  • (1986) Tocando a vida • CBS
  • (1985) Tenda dos Milagres • Som Livre • LP
  • (1984) Mancha de dendê não sai • CBS • LP
  • (1983) Pintando o oito • Ariola • LP
  • (1982) Coisa acesa • Ariola • LP
  • (1981) Moraes Moreira • Ariola • LP
  • (1980) Bazar brasileiro • Ariola • LP
  • (1979) Lá vem o Brasil descendo a ladeira • Som Livre • LP
  • (1978) Alto falante • Som Livre • LP
  • (1977) Cara e coração • Som Livre
  • (1976) Roque Santeiro • Som Livre • LP
  • (1975) Moraes Moreira • Som Livre • LP
  • (1975) Gabriela • Som Livre • LP
  • (1974) Linguagem do alunte. Os Novos Baianos • Continental • LP
  • (1973) Novos Baianos Futebol Clube. Os Novos Baianos • Continental • LP
  • (1972) Acabou chorare. Os Novos Baianos • Som Livre
  • (1971) Novos Baianos final do juízo. Os Novos Baianos • PolyGram • Compacto simples
  • (1969) Ferro na boneca. Os Novos Baianos • RGE • LP

 

 

Fonte:  transcrição do site Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira  – http://www.dicionariompb.com.br/moraes-moreira- acessado em 26.2.2016

 

 

 

Moraes Moreira

Moraes Moreira começou tocando sanfona de doze baixos em festas de São João e outros eventos de Ituaçu, o “Portal da Chapada Diamantina”. Na adolescência aprendeu a tocar violão, enquanto fazia curso de ciências em Caculé, Bahia. Mudou-se para Salvador e lá conheceu Tom Zé, e também entrou em contato com o rock n’ roll. Mais tarde, ao conhecer Baby Consuelo, Pepeu Gomes, Paulinho Boca de Cantor e Luiz Galvão, formou o conjunto Novos Baianos, onde ficou de 1969 até 1975. Juntamente com Luiz Galvão, foi compositor de quase todas as canções do Grupo.[1] O álbum Acabou Chorare, lançado pela banda em 1972, foi considerado pela revista Roling Stone Brasil[2] um dos 100 melhores álbuns da história da música brasileira. Moraes Moreira possui 40 discos gravados, entre Novos Baianos, Trio Elétrico Dodô e Osmar e ainda dois discos em parceria com o guitarrista Pepeu Gomes. Moraes se enquadra entre um dos mais versáteis compositores do Brasil, misturando ritmos como frevo, baião, rock, samba, choro e até mesmo música erudita.

moraes-moreira-300x200

Saiu em carreira solo no ano de 1975, e desde então já lançou mais de 20 discos. Na sua carreira solo, destacou-se como o primeiro cantor de trio elétrico, cantando no Trio de Dodô e Osmar, e lançou diversos sucessos de músicas de carnaval, no que se convencionou chamar de “frevo trieletrizado”. Alguns dos sucessos dessa fase são “Pombo Correio”, “Vassourinha Elétrica” e “Bloco do Prazer”, dentre outras.

034-300x225

“Tudo começou em Ituaçu, cidade do sertão baiano, onde nasci. Ainda criança, já era despertado pelo som das bandas de música, pelas madrugadas que antecediam a festa da Padroeira. Eram as alvoradas. Tubas, trompas, trompetes, clarinetes e plautins no toque da caixa, lindos dobrados rompendo o silêncio, entrando em meu sonho. Fogos de artifício explodiam no ar. Logo corria pra rua, e atrás da banda andava e admirava todos aqueles instrumentos e seus sons maravilhosos. A Lira e a Jandira, duas bandas que completavam a alegria da cidade. Bandas que passaram dentro de mim.

À medida que ia crescendo, crescia também o interesse pela música. Ganhei da minha irmã uma sanfona de doze baixos, meu primeiro instrumento, e em pouco tempo de aprendizado já dava para animar festas de São João, batizados e casamentos. Meu professor foi Fidélis, o melhor sanfoneiro da região. Nessa época, se encontrava preso, cumprindo pena por crime cometido na Gruta da Mangabeira. Eu ia visitá-lo em sua cela, enquanto ele me ensinava um pouco dos conhecimentos de sanfoneiro.

 

Com 16 anos de idade, concluí o ginasial em Ituaçu. Para continuar os estudos, fui para Caculé, cidade vizinha onde havia o curso científico.
Chegando lá, logo fiquei conhecendo dois bons violonistas que me ensinaram os primeiros acordes. Me apaixonei pelo instrumento. Mestre Dadula era um deles, do qual eu ouvi duas frases que jamais esqueci: “Violão não tem fim” e “Afinar é mais difícil que tocar”. O outro era Arnunice, colega de colégio com quem aprendi muita coisa. Tocávamos juntos em festivais, bailes e serenatas.

Três anos em Calulé, terminei o curso científico e adquiri, nesse espaço de tempo, um conhecimento razoável de violão. Parti para Salvador, onde deveria prestar exame de vestibular para Medicina. Senti, nesse momento, que já estava bem mais pra música. Ingressei no Seminário de Música da Universidade Federal da Bahia e mesmo não encontrando vaga para estudar violão, topei fazer o curso de percussão, pois meu objetivo era conhecer pessoas e penetrar no meio musical de Salvador. Foi aí que encontrei Tom Zé, grande compositor baiano, que ensinava violão no Seminário, e com ele estudei cifras e composição. Este foi meu primeiro contato com a música; até então eu só tocava de ouvido.

 


 

De lá para cá, são mais de 30 anos de estrada, entre Novos Baianos e carreira solo. Isso sem falar nas músicas gravadas por grandes artistas da MPB.

O violão tem sido o companheiro inseparável, o parceiro de sempre.”

 

Fonte:  site oficial de Moraes Moreira – http://moraesmoreira.com.br/historia/ – acessado em 25.2.2016

 

 

 

Anísio Silva

Nascido em, Caitité, Caculé, BA, ainda na infância mudou-se com a família para o interior de São Paulo, e posteriormente, para a capital paulista. Em 1945, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde empregou-se como balconista de farmácia. Em 1968, afastou-se gradativamente da carreira artística, passando a se dedicar à administração de uma casa noturna no Rio de Janeiro.
Nascido em 29/7/1920 em Caculé, BA
Faleceu em 18/2/1989 no Rio de Janeiro, RJ

 

Dados Artísticos:
De estilo romântico, estreou em discos em 1952 quando gravou pela Star o samba-canção “Um passarinho tristonho”, de Mary Monteiro e Acúrcio Rosas, e a valsa “Quando eu me lembro”, de Alencar Terra. Em 1953, na Copacabana, que sucedeu a gravadora Star, lançou em dueto com o cantor Jack Jony o fox-trote “Aquela noite”, parceria sua com Oliveira Neto e o baião “Um grande amor”, parceria com Jorge de Castro.

Em 1957, foi contratado pela Odeon, onde viveu a melhor fase de sua carreira. Ali gravou o samba “Sempre contigo”, parceria com William Duba e o bolero “Sonhando contigo”, de sua autoria em parceria com Fausto Guimarães, que obteve grande sucesso, alavancando sua carreira e que fez com ele se tornasse o primeiro artista brasileiro a receber disco de ouro. Também em 1957, lançou o primeiro LP “Sonhando contigo” que trazia as composições “Interesseira”, de Murilo Letini e Bidu Reis; “Falas de amor outra vez”, de Benil Santos e Raul Sampaio; “Aperta-me em teus braços”, de sua autoria e Almeida Rêgo; “Sonhando contigo”, com F. Guimarães; “Não se afaste de mim”, de Raul Sampaio e Jorge Gonçalves; “Se eu pudesse esquecer” e “Vida, vida”, de sua autoria; “Não me diga adeus”, com F. Guimarães; “Apesar dos pesares”, de Murilo Letini e Bidu Reis; “Sempre comigo”, com William Duba; “Abismo”, de sua autoria e “Juntando saudades”, de Nazareno de Brito e Alcyr Pires Vermelho. Ainda nesse ano, seu bolero “Sonhando contigo”, com Fausto Guimarães foi gravado na Copacabana por Jairo Aguiar.

Em 1958, gravou mais duas composições de sua autoria, o samba “Não me diga adeus”, parceria com Fausto Guimarães e o bolero “Abismo”. No mesmo ano obteve grande sucesso com o bolero “Interesseira”, de Bidu Reis e Murilo Latini gravado em Lp no ano anterior. Nessa época, realizou inúmeras excursões pelo Brasil. Em 1959 gravou em dueto com a cantora Dalva de Oliveira as valsas “Minha mãe”, com música do maestro Lindolfo Gaya sobre versos do poeta Casemiro de Abreu e “Amor de mãe”, de Raul Sampaio. No mesmo ano teve grande sucesso com a guarânia “Quero beijar-te as mãos”, de Arsênio de Carvalho e Lourival Faissal. Ainda nesse mesmo ano, lançou o LP “Anísio Silva canta para você”, com as faixas “Pressentimento”, de Edgardo Luiz e Milton Silva; “Desilusão”, de Pedro Rogério e Lombardi Filho; “Onde estarás agora”, de sua autoria; “Destino”, de Mário Terezópolis; “Desencanto”, de Bruno Marnet e Floriano Faissal; “Incompreendida”, de Murilo Latini e Bidú Reis; “Quero beijar-te as mãos”, de Lourival Faissal e Arsenio de Carvalho; “Vai”, com William Duba; “Palavras cruéis”, de Alcyr Pires Vermelho e Jair Amorim; “Devolva-me”, dos Irmãos Orlando; “Tu somente tu”, com Jonas Garret e “Não digo o nome”, de Jair Amorim.

Em 1960 gravou outro de seus grandes sucessos, talvez o maior, o bolero “Alguém me disse”, de Evaldo Gouveia e Jair Amorim, regravado com grande êxito por Gal Costa em 1998. Gravou também o samba “Me leva”, no qual fez parceria com o sambista Silas de Oliveira. Outro grande sucesso do mesmo ano foi a guarânia “Estou pensando em ti”, de Raul Sampaio e Benil Santos. Também em 1960, gravou o bolero “Beija-me depois”, de Jair Amorim e Evaldo Gouveia e o fox “Onde está você”, de Lindolfo Gaya e Aloísio de Oliveira. Obteve grande vendagem com o LP “Alguém me disse”, título do bolero com o qual fez grande sucesso. Nesse LP constavam ainda boleros como “O dia do nosso amor”, com Fausto Guimarães; “Cantiga de quem está só”, de Jair Amorim e Evaldo Gouveia; “Sempre em meu pensamento”, com Milton Gomes; “Triste coração”, de Aldacir Louro e Linda Rodrigues e “Estou pensando em ti”, de Raul Sampaio e Benil Santos. Ainda no mesmo ano, lançou o LP “Anísio Silva”, no qual gravou as músicas “Tu hás de voltar”, parceria com o maestro Gaya; “O mal da gente”, com M. Pereira; “Meu amanhã”, de Ary Monteiro e Irany de Oliveira; “Porque voltei”, de Victor Berbara e Haroldo Eiras; “Abre a porta por favor”, de Erasmo Silva e Átila Nunes; “Há na saudade um segredo”, de Bruno Marnet e Floriano Faissal; “Tenta sorrir”, de Nilton Pereira e Ivan Paulo; “Amar”, de Ronaldo Lupo e Saint-Clair Senna; “Noite e dia”, de Antônio Fernandes, Almiro Cunha e Altahir de Sá; “Nasci para te adorar”, de Luiz Bonfá; “Ausência”, de Aylton Flores e Jota Santos e “Quero estar contigo”, com M. Pereira. Nesse disco já se pode perceber o começo de seu declínio, a partir da presença de muitos compositores sem maior expressão.

Em 1961 destacou-se com o bolero “Onde estarás”, de Jair Amorim e Evaldo Gouveia. Gravou no mesmo ano, os boleros “Dolores”, de Jair Amorim; “Eu já fiz tudo”, de Romeu Nunes e Almeida Serra; “Que Deus me dê”, de Evaldo Gouveia e Jair Amorim e “Se a vida parasse”, de Romeu Nunes e Milton Gomes, que foi sucesso no ano seguinte. Ainda nesse ano, lançou o LP “Beija-me depois”, com destaque para as canções “Conta teu sonho”, com Roberto Faissal; “Caminhos opostos”, com Wilson Pinho; “Pra que vou esconder?”, de Hianto de Almeida; “A carta”, de Murilo Latini e Bidu Reis; “Seu jeito”, de José Messias; “Você quis… e levou”, de Almeida Rêgo e Gilda de Barros; “Chora minh’alma”, com Lindolfo Gaya; “Sim ou não”, de Cícero Nunes e, “Beija-me depois” e “Onde estarás”, da dupla Jair Amorim e Evaldo Gouveia.

Em 1962, gravou os boleros “Deixa-me ficar”, de Raul Sampaio e Benil Santos; “Abraça-me”, de Almeida Rego e Antônio Correia; “Ave-Maria dos namorados”, de Evaldo Gouveia e Jair Amorim, outro grande sucesso, além do samba “Beleza das cores”, de J. Santos e Carlos Santana Lima. Gravou também o LP “O romântico”, com destaque para os boleros “Faça de conta”, de Maria Helena Toledo e Luiz Bonfá; “Vida ruim”, de Catulo de Paula; “Não é por mim”, de Carlos Imperial e Fernando César; “Caminhando”, de Luiz Bandeira e, “Falso”, “Que Deus me dê” e “Canção completamente inútil”, de Jair Amorim e Evaldo Gouveia.

Em 1963, lançou mais duas composições da dupla Jair Amorim e Evaldo Gouveia: “Um dia em Portugal” e “Quem tudo quer nada tem”. Também nesse ano, registrou o LP “Só penso em ti”, no qual interpretou, entre outras, as músicas “Sincero demais”, de Tito Madi; “Deixa-me ficar”, de Raul Sampaio e Benil Santos; “Colcha de retalhos”, de Fernando César; “Outra vez”, de Romeo Nunes e Britinho; “Amor sublime”, de Mário Machado, Noemi Cavalcanti e Niquinho; “Numa igreja sem ninguém”, de Fernando César e Ted Moreno e “Almas gêmeas”, de Antônio Almeida. Ainda nesse ano, gravou o LP “Canção do amor que virá” no qual interpretou, além da música título, de Jorge Smera e Othon Russo, as músicas “Existe alguém”, de Jair Amorim e Evaldo Gouveia; “Duas janelas”, de Capiba e Tito Madi; “É tarde”, de Carlito e Romeo Nunes; “Quem tudo quer nada tem”, de Jair Amorim e Evaldo Gouveia; “Eu não amo sem você”, de Roberto Faissal e Paulo Tito e “Novo céu”, de Fernando César e Ted Moreno.

Em 1964, ainda pela Odeon, gravou o LP “Estou chorando por ti”, música título de sua autoria em parceria com Romeu Nunes e que tinha ainda como destaques as composições “Por quanto tempo”, “Meu amor foi embora” e “Que me importa”, de sua autoria; “Canção da serra”, de Jair Amorim e Evaldo Gouveia; “Minha culpa”, de Fernando César e Britinho, e “Desolação”, de Raul Sampaio. Ainda nesse ano, já com a popularidade em baixa, lançou três discos pelo selo Repertório e mais um pelo selo Santa Anita, sem grande repercussão. Logo em seguida abandonou momentâneamente a carreira artística e ficou três anos sem gravar discos.

Em 1967, voltou a gravar, novamente pela Odeon, lançando o LP “Retôrno”, com música título de Monito Silva e Agenor Madureira, que apresentava como destaque as músicas “Perdão em serenata”, de Dalton Vogeler e Orlando Silveira; “Hás de vir com a saudade”, de Zé Trindade e Firmo Costa Jr.; “Você passou”, de Niquinho e Othon Russo; “Onde estás agora”, de Raul Sampaio e Benil Santos, e “Saudade”, de sua autoria e Gilson Santomauro. Em 1968, já sem o mesmo sucesso anterior, lançou o LP “Lembrança de você”, também pela Odeon, sendo que das doze músicas do disco, nove eram de sua autoria entre as quais, “Tudo lembra você”, com Diamantino; “Falando ao coração”; “Dia de chorar”; “É madrugada” e “Longe de você”, apenas de sua autoria, além de “Minha vida”, de Niquinho e Othon Russo e “Quando você passou”, de Collid Filho. Nesse mesmo ano, afastou-se da vida artística, passando a gerenciar uma casa noturna.

Em 1970, retornou à carreira lançando pela Continental o LP “Anísio Silva”, que obteve pouca repercussão e que trazia sete composições suas, entre as quais, “O homem e a vida”, com Jonas Garret; “Tem pena de mim”, com Gilson Santomauro e Diamantina e “Se eu te perder”, com Milton Gomes. Em 1975, lançou pela Copacabana aquele que seria seu último LP, também tendo seu nome como título e que trazia seis parcerias com Elias Soares, “Noite de ternura”; “De tanto amor”; “Mundo em paz”; “Eternamente”; “Saudade de ti” e “Minha paz”, além de “Quatro anos”, de Roberto Martins e “A felicidade acabou”, de Oldemar Magalhães e Erasmo Silva. Depois desse disco, afastou-se definitivamente da vida artística. Durante a carreira, lançou 26 discos em 78 rpm e 14 LPs, muitos dos quais, especialmente os elepes para a Odeon, foram campeões de vendagem na época.

Em 1994, foi lançado pela Odeon o CD “Meus momentos – volume 1” e três anos depois o CD “Meus momenyos – Volume 2”, com os maiores sucessos de sua carreira. Em 2000, a EMI, dentro da série Bis, lançou um CD duplo com os melhores momentos da carreira do cantor, incluindo, entre outras, as músicas “Alguém me disse”; “Interesseira” e “Abismo”, além de “Não Tenho Lágrimas”, de Max Bulhões e Milton de Oliveira e “Me leva”, parceria com Silas de Oliveira e José Garcia. No mesmo ano, sua gravação de “Alguém me disse” foi incluída pelo crítico Ricardo Cravo Albin na coleção “As 100 músicas do século XX”, coletânea de seis CDs extraídos do acervo da EMI-Odeon.

 

Obra:

Abismo
Aperta-me em teus braços (c/ Almeida Rêgo)
Aquela noite (c/ Oliveira Neto)
Caminhos opostos (c/ Wilson Pinho)
Chora minh’alma (c/ Lindolfo Gaya)
Conta teu sonho (c/ Roberto Faissal)
De tanto amor (c/ Elias Soares)
Depois do carnaval (c/ Elias Soares e Sebastião F. da Silva)
Dia de chorar
É madrugada
Estou chorando por tí (c/ Romeo Nunes)
Eternamente (c/ Elias Soares)
Eu queria saber (c/ C. Portela)
Falando ao coração
Indiferente (c/ Maria do Carmo)
Longe de você
Me leva (c/ Silas de Oliveira e José Garcia)
Meu amor me mata a sede (c/ Adilson Silva)
Minha paz (c/ Elias Soares)
Mundo em paz (c/ Elias Soares)
Mundo vazio (c/ Gilson Santomauro)
Não me diga adeus (c/ Fausto Guimarães)
Noite de ternura (c/ Elias Soares)
Nós dois, nossa vida
Nunca me diga adeus (c/ J. Pereira Jr.)
O amor que eu não vivi (c/ Tinho)
O homem e a vida (c/ Jonas Garret)
O mal da gente (c/ M. Pereira)
O nosso amor voltará
O que eu queria (c/ Luiz Carlos de Morais)
Onde estás agora
Oração
Pelo amor do nosso amor (c/ Aloisio Marins)
Quero estar contigo
Saudade (c/ Gilson Santomauro)
Saudade de ti (c/ Elias Soares)
Se eu pudesse esquecer
Se eu te perder (c/ Milton Gomes)
Sempre contigo (c/ William Duba)
Sonhando contigo (c/ Fausto Guimarães)
Tem pena de mim (c/ Gilson Santomauro e Diamantina)
Tu hás de voltar (c/ Lidolfo Gaya)
Tu, somente tu (c/ Jonas Garrett)
Tudo lembra você (c/ Diamantino)
Um grande amor (c/ Jorge de Castro)
Vai
Vida, vida
Você é saudade (c/ Heloisa Serra)

 

Discografia:

(1998) Seleção de Ouro/Anísio Silva-Grandes sucessos • EMI • CD
(1997) Meus momentos • EMI • CD
(1975) Anísio Silva • Copacabana • LP
(1970) Anísio Silva • Continental • LP
(1968) Lembrança de você • Odeon • LP
(1967) Retôrno • Odeon • LP
(1964) Estou chorando por ti • Odeon • LP
(1964) Copacabana feiticeira/Tudo foi ilusão • Repertório • 78
(1964) Se conselho fosse bom/Um coração que chora • Repertório • 78
(1964) Anágua/Sem razão • Repertório • 78
(1964) Eu queria saber/Salve São Paulo • Santa Anita • 78
(1963) Um dia em Portugal/Quem tudo quer nada tem • Odeon • 78
(1963) Só penso em ti • Odeon • LP
(1963) Canção do amor que virá • Odeon • LP
(1962) Que Deus me dê/Se a vida parasse • Odeon • 78
(1962) Deixa-me ficar/Abraça-me • Odeon • 78
(1962) O romântico • Odeon • LP
(1961) Noite e dia/Onde estarás • Odeon • 78
(1961) Dolores/Eu já fiz tudo • Odeon • 78
(1961) Beija-me depois • Odeon • LP
(1960) Me leva/Alguem me disse • Odeon • 78
(1960) Alguém me disse • Odeon • LP
(1960) Estou pensando em ti/Por toda a vida • Odeon • 78
(1960) Beija-me depois/Onde está você • Odeon • 78
(1960) O nosso amor voltará/Nós dois, nossa vida • Odeon • 78
(1960) Anísio Silva • Odeon • LP
(1959) Amor de mãe (Com Dalva de Oliveira) • Odeon • 78
(1959) A canção de minha mãe/Minha mãe • Odeon • 78
(1959) Onde estás agora/Desencanto • Odeon • 78
(1959) Vai/Quero beijar-te as mãos • Odeon • 78
(1959) Anísio canta para você • Odeon • LP
(1959) Desilusão/Devolva-me • Odeon • 78
(1959) Pressentimento/Destino • Odeon • 78
(1959) Quero beijar-te as mãos • Odeon • LP
(1958) Abismo/Não me diga adeus • Odeon • 78
(1958) Se eu pudesse esquecer/Interesseira • Odeon • 78
(1958) Vida, vida/Fingimento • Odeon • 78
(1958) Tu, somente tu/Não digo o nome • Odeon • 78
(1957) Sempre contigo/Sonhando contigo • Odeon • 78
(1957) Sonhando contigo • Odeon • LP
(1953) Aquela noite/Um grande amor • Copacabana • 78
(1952) Um passarinho tristonho/Quando eu me lembro • Star • 78

 

Bibliografia Crítica:

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.
CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.
MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.
SEVERIANO, jairo e MELLO, zuza Homem de. A canção no tempo. Vol. 1. São Paulo: Editora 34, 1997.

 

Fonte: transcrição do site Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira – http://www.dicionariompb.com.br/anisio-silva/biografia – acessado em 24.2.2016