IBGE – Cidades@: informações sobre o município de Caculé

O Cidades é uma ferramenta para se obter informações sobre todos os municípios do Brasil num mesmo lugar.
Aqui são encontrados gráficos, tabelas, históricos e mapas que traçam um perfil completo de cada uma das cidades brasileiras.

Acesso a todas as informações no site do IBGE:
http://cod.ibge.gov.br/237KT

IBGE - mapa caculé

 

.

Anúncios

IBGE – Enciclopédia dos Municípios, 1958: Caculé

ENCICLOPÉDIA
DOS
MUNICÍPIOS BRASILEIROS
XX VOLUME

IBGE

RIO DE JANEIRO
1958

Texto reproduzido do documento original, publicado em 2 de Julho de 1958, pelo IBGE Rio de Janeiro, com os dados dos municípios da Bahia. O original está disponível no site IBGE e uma cópia pode ser baixado no link no final do texto.

CACULÉ- BA
Mapa Municipal no 8.° Vol.

HISTÓRICO – Em 1860, Dona Rosa Prates, proprietária do antigo domínio da fazenda “Jacaré”, doou ao Santíssimo Coração de Jesus um terreno, onde deveria ser erguida uma capela sob a invocação dêsse orago. Foi a célula da cidade atual, sede do município do mesmo nome.
Formou-se ali um núcleo populoso tão promissor que, em 1880, era elevado à categoria de distrito de paz por Lei provincial número 2 039, de 23 de julho do mesmo ano.
Possuindo aquela ilustre senhora elevado número de pretos escravos, promoveu o progresso da região pela exploração ampla da agricultura e da pecuária, incentivando o povoamento.
A Lei número 1365, de 14 de agosto de 1919, criou com território desmembrado do de Caetité, o município de Caculé, cuja instalação se deu em 1.0 de janeiro do ano seguinte. Desta maneira, a vila de Caculé conquistou foro de cidade.
Pelo Recenseametno Geral de 1920, o município compunha-se dos distritos de Caculé (sede), São Sebastião e Rio do Antônio; enquanto na divisão administrativa do Brasil, relativa ao ano de 1933, êle se integrava do distrito-sede e dos distritos de São Sebastião do Caetité, Rio do Antônio e lbitira.
Segundo as divisões territoriais de 31 de dezembro de 1936 e 31 de dezembro de 1937, como também no quadro anexo ao Decreto-lei estadual número 10 724, de 30 de março de 1938, Caculé permaneceu constituído dos mesmos distritos citados. Houve entretanto, alteração no topônimo do distrito de São Sebastião do Caetité, que retomou o nome antigo de, apenas, São Sebastião.
Permaneceu com a mesma constituição no quadro estabelecido pelas divisões administrativas de 30 de novembro de 1938 e de 31 de dezembro de 1943 e retificado pelo Decreto número 12 978 de 1.0 de junho de 1944.
Apenas houve modificação no topônimo de São Sebastião, que passou a denominar-se Ibiassucê.
O município continua com os mesmos distritos referidos no quadro fixado pela Lei estadual 628, de 30 de dezembro de 1953, para vigorar no qüinqüênio 1954-1958.
LOCALIZAÇÃO – Localiza-se na Zona Fisiográfica da Serra Geral. Seu território está totalmente incluído no Polígono das Sêcas e situado na parte centro-oeste do Estado.
Limita com os mumc1p1os de Caetité, Brumado, Condeúba, Jacaraci e Urandi.
A sede municipal possui as seguintes coordenadas geográficas: 14° 30′ 10″ de latitude Sul e 42° 13′ 21″ de longitude W. Gr. Seu rumo partindo da Capital do Estado é O. S. O. e dela dista, em linha reta, 416 quilômetros.

mapa

estação

ALTITUDE – A altitude da sede é 572,559 metros; no local da chapa cravada à direita da porta principal, na estação da Viação Férrea Federal Leste Brasileiro. Foi registrada, ainda, pelo Conselho Nacional de Geografia, a altitude máxima de 578,598 metros, no trilho da V.F.F.L.B. no seu cruzamento com a estrada de rodagem Urandi-Caculé, distando 1,47 km aquém da estação ferroviária da cidade de Caculé, bem como a altitude mínima de ..563,357 m no piso da ponte de concreto sobre o riacho do Camelo, no trecho da estrada Caetité-Brumado, na localidade de lbitira.
ÁREA – A área do município é de 2 277 quilômetros quadrados.
ACIDENTES GEOGRÁFICOS – O seu território é pouco acidentado. Registra-se apenas a ramificação da serra das Ametistas e da do Jacaré, que o atravessam. O rio do Antônio, que desce do município de Jacaraci com o nome de Palmeiras, une-se com o seu afluente rio do, Salto, nas proximidades das divisas de Caculé, tomando aquela denominação. Deságua no rio de Contas. Existe no município um número considerável de pequenas lagoas periódicas que abastecem as criações nos tempos chuvosos.
CLIMA – O clima é salubre. A temperatura da sede municipal
apresentou em 1956 os seguintes dados: média das máximas 30°C; média das mínimas 21 °C e média compensada 26°C. A precipitação máxima de chuva, ·em 24 horas, foi de 53,8 mm.
RIQUEZAS NATURAIS – Possui jazidas exploradas de cristal . de rocha e, não explorada, de água-marinha e, também, de ouro. O revestimento florístico é quase todo constituído de caatingas; não obstante, encontram-se várias plantas medicinais e madeiras de cónstrução. Também são encontrados ouricurizeiros, dos quais se extrai o pó e a
cêra. Há animais silvestres de pequeno porte; répteis e aves de variadas espécies.
POPULAÇÃO – A população municipal, segundo o Recenseamento
de 1950, era de 26 310 habitantes, com a seguinte composição: 12 332 homens e 13 978 mulheres; 7 240 brancos, 2 691 pretos e 16324 pardos. Das pessoas de 15 anos e mais, existü:.m 5 116 solteiros, 7 986 casados,
3 desquitados e 821 viúvos. Como se pode verificar, havia inferioridade dos da . côr preta. Quanto ao sexo, conforme ocorre em outras partes, predominava o feminino.

Da população total do município, 79,35% ·localizam-se no quadro rural e a densidade demográfica· era de 11,55 habitantes por km2• Para 1957, a estimativa dá para o município a população de 33 574 habitantes.
AGLOMERAÇÕES URBANAS – De acordo com o Recenseamento, em 1950, o município possuía 4 aglomerações urbanas com os seguintes números de habitantes:
cidade de Caculé 3 880; vila de lbiassucê 589; de lbitiara
398 e de Rio do Antônio 566. A estimativa da população
da cidade para 1957 é de 8 200 pessoas.
OUTRAS AGLOMERAÇÕES – Além da Cidade e das vilas, há no município, povoados, sendo os principais, com suas populações estimadas para 1957, os seguintes: Jacaré 210 pessoas, Capivara 200 hab., Rio das Antas 180
habitantes, Amargosa 170 hab., Comocoxico 140 habitántes, Mandacaru 130 hab., Santo Antônio 170 hab., Periperi 130 hab., Lajinho 120 hab., Canjica 100 hab. e Santa Clara 90 habitantes.
ATIVIDADE ECONÔMICA- A população em condições de produtividade (de 10 anos e mais) era de 17 692pessoas; destas, 7 974 eram homens e 9 718, mulheres. Deste · total, 5 301 se dedicavam ao ramo “agricultura, pecuária
e silvicultura”, constituindo 29,96% da população ativa, que depois de “atividade doméstica” é o ramo que mais ocupa pessoas no município.
Agricultura – A principal atividade econômica é a agricultura, cuja produção em 1955, foi superior a 12 266 milhares de cruzeiros. A maior parcela é representada pela cana de açúcar, seguida da mandioca, da laranja, da batata-doce, do milho, do algodão, da mamona e do fumo em
folha.
Pecuária – Quanto à atividade pastoril, havia no ano de 1956 um rebanho estimado no seguinte número de cabeças: 8 000 bovinos, 3 000 eqüinos, 2 000 asininos, 2 000 muares, 18 000 suínos, 7 000 ovinos e 2 200 caprinos.
Havia em 1954, 1 640 propriedades rurais no valor venal superior a 9256 milhares de cruzeiros.
Com o intuito de fomentar a produção agrícola e pecuária, a Inspetoria Regional do Fomento Agrícola mantém no município um Posto Agropecuário.
Indústria – A produção industrial· alcançou no mesmo ano importância superior a 15 097 milhares de cruzeiros, realçando-se a indústria extrativa principalmente lenha e peles de animais silvestres, que contribuiu com
Cr$ 11 768 milhares. Dos produtos manufaturados a aguardente, a farinha de mandioca e a rapadura ocupam os primeiros lugares no volume da produção industrial.

igreja matriz
MEIOS DE TRANSPORTE E COMUNICAÇÕES – A cidade liga-se à Capital Federal por ferrovia 1 517 quilômetros e rodovia 1419 quilômetros; à Capital do Estado, via aérea 454 km ferrovia 714 km e rodovia 759 km; às cidades vizinhas de Brumado, ferrovia 84 km e rodovia 96 quilômetros; por estrada de rodagem com Caetité 71 km, Condeúba 81 km e Jacaraci 63 km; a Urandi, ferrovia 96 quilômetros e rodovia 76 km. O município possui também um campo de pouso de avião com pista de 1000 x 200 m.
A Viação Férrea Federal Leste Brasileiro serve o município, possuindo estação de embarque na cidade e na vila do Rio do Antônio, as quais foram inauguradas em 1.0 de maio de 1949. É ainda o município servido por duas importantes rodovias: a Ilhéus-Goiás que passa pela vila de Ibitira e a Brumado-Urandi que corta a cidade e a vila de Rio do Antônio, fazendo ligação com municípios do Estado de Minas Gerais.
O serviço de comunicações é feito pela Agência Postal-telegráfica do D.C.T. e pelo serviço telegráfico da citada estrada de ferro.
COMÉRCIO E BANCOS – Existiam em 1956, na cidade, 8 estabelecimentos atacadistas e 38 varejistas. Em todo o município, 138 estabelecimentos comerciais alcançaram o giro superior a 44 593 milhares de cruzeiros.
O comércio local mantém transação principalmente com as praças de Salvador, Belo Horizonte, Vitória da Conquista e Brumado. Importa tecidos, estivas em geral e outros artigos. Exporta algodão, rapadura, feijão, milho e fumo. O salário-mínimo oficial está fixado em Cr$ 2 000,00.

norberto fernandes
ASPECTOS URBANOS – A cidade está situada num planalto, à margem direita do rio do Antônio. Possui 45 logradouros, 20 dos quais estão pavimentados, 5, arborizados e 25, iluminados a luz elétrica. Estão servidos de luz elétrica 228 prédios. O consumo de energia elétrica para
iluminação particular foi de 216 625 kWh, em 1956. Quanto aos meios de hospedagem, existem na cidade um hotel e 13 pensões com capacidade total para 500 hóspedes.
Há também um cinema em funcionamento, o Cine-Teatro Engenheiro Dórea.

 

ASSISTÊNCIA MÉDICO-SANITÁRIA – A assistência médico-sanitária é prestada pelo Posto Correspondente do Serviço de Saúde do Interior e pelo Setor número 13, sediado em Brumado, do Departamento Nacional de Endemias Rurais.
Exercem a profissão na Cidade 2 médicos, 1 dentista e 4 farmacêuticos. Há 4 farmácias.
ASSISTÊNCIA SOCIAL E COOPERATIVISMO – Existe apenas a Associação Rural de Caculé congregando 61 associados.

praça J J Seabra

ALFABETIZAÇÃO- Segundo o Recenseamento ele 1950, existia no município, de 5. anos e mais, o total de 21783 pessoas. Dêste número, sabiam ler e escrever 4 630, sendo 2 657 homens e 1973 mulheres, representando 21% do total. Na sede municipal a quantidade de indivíduos
alfabetizados, em 1950, era de 1399, dêstes, 764 eram homens e 635 mulheres. Todavia, o total de pessoas de 5 anos e mais atingia o número de 3 316.
ENSINO – Em 1956, funcionavam 22 unidades escolares estaduais do ·ensino fundamental comum, e 10 municipais, com o total de 1384 alunos. Dentre os estabelecimentos de ensino primário, o Grupo Escolar Estadual Doutor Antônio Muniz é o mais importante.
O ensino secundário é ministrado pelo Ginásio Estadual Norberto Fernandes, cuja matrícula inicial, em 1957, foi de 148 alunos, sendo 72 do sexo masculino e 76, do feminino.
OUTROS ASPECTOS CULTURAIS – Há apenas a biblioteca mantida pela Agência Municipal de Estatística, à disposição de consulentes. Funcionam na cidade as seguintes associações esportivas e culturais: Aeroclube de
Caculé, Grêmio Antônio Meireles e Associação Esporte-clube.

 

CULTOS RELIGIOSOS – A cidade é sede de paróquia e tem por padroeiro o Sagrado Coração de Jesus. Pertence à diocese de Caetité. Possui 1 igreja, 7 capelas e 6 associações religiosas. Existe na cidade um centro espírita.
MANIFESTAÇÕES RELIGIOSAS, FOLCLÓRICAS E EFEMÉRIDES – Das festas religiosas celebradas, têm maior realce a do Sagrado Coração de Jesus, realizada em 7 de setembro, a de Nossa Senhora do Carmo, em 16 de julho, e a de Nossa Senhora das ·Graças, em 8 de dezembro. Existe ainda a tradição das festas do Natal, de Ano-bom, dos Reis e de São João. Nos festejos dos Reis Magos, realizam-se folguedos populares, tais como a “Zabumba” e o “Terno dos Reis”. A primeira se constitui de turma de
tocadores de pandeiro, pratos, gaita e bombo. Assim percorrem os foliões as ruas locais em infernal algazarra. Os “ternos” são organizados por jovens donzelas de vestidos de chita coloridos, que formam cordões e se exibem graciosamente pelas ruas, cantando canções típicas regionais,
de forma e sentido compatíveis com a educação mística do nosso povo.

av arthur castilho
SITUAÇÃO ADMINISTRATIVA E POLÍTICA – O município, em 1954, possuía 6 094 eleitores. Votaram nas últimas eleições 2 211 cidadãos.
O número de vereadores em exercício é de 12. Em 1956 exerciam atividades no município 132 funcionários, assim distribuídos: 49 federais, 30 estaduais, 52 municipais e 1 autárquico.
O município é sede da 20.a Circunscrição Escolar da Secretaria da Educação.
FINANÇAS PÚBLICAS-Em síntese, a arrecadação federal
e a estadual, bem como as finanças municipais, representam-
se na tabela seguinte:

finanças

JUSTIÇA ~ Nas divisões territoriais datadas de 31 de dezembro de 1936 e 31 de dezembro de 1937, bem como no quadro anexo ao Decreto-lei número 10 724, de 30 de março de 1938, o município de Caculé figura como termo
da comarca de Caetité.
Ocorreu o mesmo no quadro territorial de 1939-1943, estabelecido pelo Decreto número 11 089, de 30 de novembro de 1938 e, também, no quadro da divisão judiciário-administrativa do Estado, vigente em 1944-1948, fixado pelo Decreto-lei estadual número 141, de 31 de dezembro de 1943, modificado pelo Decreto número 12 978, de 1.0 de junho de 1944.

Por força do Decreto-lei número 519, de 19 de junho de 1945, foi criada a comarca de 1.a entrancia de Caculé, constituída pelo termo único, de idêntico nome, desmembrado da comarca de Caetité. Há na comarca 8 cartórios, sendo 4 do Registro Civil. Foram julgados em 1956, 11 feitos cíveis.
OUTROS ASPECTOS DO MUNICÍPIO – Os naturais do município denominam-se “caculeenses”. O atual Prefeito é o Dr. Paulo Maciel Fernandes, eleito e empossado no último pleito, e o Presidente da Câmara, o Sr. Aizete Gonçalves Fauazete, eleito para o período legislativo iniciado em 7-IV-1957. O primeiro Intendente foi o c.e1 Juvêncio Teixeira Guimarães e o primeiro Conselho Municipal compunha-se dos seguintes membros: major Antônio Correia Neto, presidente, c.el Manuel José Fernandes, cap. Luís Gonçalves de Aguiar, cap. José Manoel Alves, cap. Clemente José Alves, c.”1 Leonel Antônio de Brito, ·ten. José Normando da Silva Costa, Hermínio Pereira Prates, Adelino Alves Brito, Leonel Ferreira Faria, José Francisco. Matos, Francisco Prates Pinho, Sebastião José Alves, Crescêncio Rodrigues da Cruz, Juscelino da Cruz Prates e Modesto da Silva Prates.
(Compilação d9 Inspetoria Regional de Estatística, por Luís Gonzaga de Oliveira Brito. – Chefe da Agência Municipal de Estatística: Dirceu Pimentel de Araújo.)

 

Fonte:  ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS – XX Volume –
PLANEJADA E ORIENTADA por JURANDYR PIRES FERREIRA
PRESIDENTE DO IBGE Rio de Janeiro – 2 DE JULHO DE 1958 – página 105: IBGE – liv27295_20